CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Filme do Dia: Os Legendários Vikings (1964), Jack Cardiff



Os Legendários Vikings (The Long Ships, Reino Unido/Iuguslávia, 1964). Direção: Jack Cardiff. Rot. Adaptado: Beverly Cross & Berkely Mather, baseado no romance de Frans G. Bengtsson. Fotografia: Christopher Challis. Música: Dusan Radic. Montagem: Geoffrey Foot. Dir. de arte: Vlastimir Gavrik & Zoran Zorcic. Figurinos: David Ffolkes & Anthony Mendleson. Com: Richard Widmark, Sidney Poitier, Russ Tamblyn, Rossana Schiaffino, Oskar Homolka, Edward Judd, Lionel Jeffries, Beba Loncar.

Tendo provocado a ruína de seu velho pai  Krok (Homolka) junto ao rei viking, Rolfe (Widmark) assim como  seu grupo de vikings se vendo as voltas com o rei mouro Ali Mansuh (Poitier), que possui uma obsessão pelo sino de ouro, Rolfe consegue se apoderar do navio que Krok havia praticamente entregue sem custos ao rei, por conta das desventuras do filho, sob o pretexto de procurar o sino. O sino finalmente é encontrado e uma disputa se dá entre vikings e mouros, sendo que os primeiros ganham os reforços dos navios vikings. Ali Mansuh é derrotado e morto sob o peso do próprio sino.

Quando os grandes épicos já se encontravam em seu ocaso, esta produção  tenta recriar o estilo de fantasia que antecessores igualmente produzidos por iugoslavos tais como Zoltan Korda produziram nos anos 40 (sendo o mais célebre deles O Ladrão de Bagdá, de 1940) em que, ao contrário dos grandes épicos, o entretenimento era inversamente proporcional  à pretensão. Aqui, ao contrário dos filmes produzidos por Korda, que ainda possuem certo frescor ingênuo, sobra apenas o peso de fórmulas desgastadas, assim como flertes antenados com valores mais apropriados a uma época em que a permissividade possível se fazia presente, exibindo o que seria considerado sexy em termos de corpos masculinos e femininos erotizados pelo viés de figurinos menos fiéis a qualquer autenticidade que não à do filme de gênero. Para não falar do estilo visual de seus atores, reprodutores involuntários do estilo  da década na qual foi produzido e de sua trilha musical, digna de um seriado de TV (não é à toa que foi co-produzido por Irwin Allen, que se tornaria mais conhecido por suas séries fantásticas adaptadas para a TV) e sua vulgar e extravagante produção visual. Seu racismo subliminar tampouco deixa de ser evidente, mesmo incorporando um dos ícones negros  e militantes em seu auge, como quando a possibilidade de  sexo inter-racial entre Ali e a musa viking do irmão do herói, Gerda, é “providencialmente” interrompida, assim como pelo fato das mulheres do harém serem predominantemente não negras. Widmark, que já conhecera dias melhores nas mãos de Samuel Fuller e outros, aqui a certo momento parece reincorporar a sua persona de violento no momento em que esmurra a amada do irmão. Talvez a única coisa que chame a atenção seja o seu prólogo que apresenta a lenda do sino através de imagens apropriadas ao teor fantástico, um toque de originalidade concentrado que inexiste, no entanto, em todo o restante do filme. Cardiff se tornou mais conhecido como fotógrafo de filmes como Sapatinhos Vermelhos, Narciso Negro, Sob o Signo de Capricórnio, Uma Aventura na África ou A Condessa Descalça que propriamente como o realizador bissexto que foi. Avala Film/Warwick Film Prod. para Columbia Pictures. 126 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário