CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Filme do Dia: O Império da Paixão (1977), Nagisa Oshima


O Império da Paixão (1978) Poster


O Império da Paixão ( Ai No Borei, Japão/França, 1977) Direção: Nagisa Oshima. Rot.Adaptado: Nagisa Oshima baseado o romance de Itoko Namura. Fotografia: Yoshio Miyajima. Música: Toru Takemitsu. Montagem: Keiichi Uraoka. Com: Tatsuya Fuji, Kazuko Yoshiyuki, Takahiro Tamura, Takuzo Kawatani,  Masami Hasegawa, Kenzo Kawarazaki, Akiko Koyama, Taiji Tonoyama.
       Seki (Yoshiyuki), esposa do agricultor de meia-idade Gisaburo (Tamura), que trabalha para um grande proprietário de terras,  sempre recebe presentes do jovem Toyoji (Miyajima), em sinal de seu apreço e amizade. Certo dia, Gisaburo sutilmente lhe adverte que Toyoji pode se encontrar apaixonado por ela, ao que ela retruca que é impossível, dada a diferença de idade entre ambos. Porém, após embriagar-se, Toyoji revela sua atração por Seki, visitando-a em casa certa noite, e fazendo amor. A mútua paixão e desejo leva Toyoji a planejar a morte de Gisaburo. Inicialmente ofendida, Seki concorda, acreditando ser a única forma de concretizar por inteiro seu amor. Após chegar do trabalho, à noite, Gisaburo é embebedado com porções generosas de saquê, sendo assassinado por ambos. Aterrorizada com o que fez, Seki entra em estado de choque, mas é levada a carregar o cadáver, juntamente com Toyoji, até um dos poços da propriedade. Ao contrário do que Seki esperava, no entanto, Toyoji se distancia, para que nenhuma suspeita pese sobre eles. Quando as pessoas começam a indagar sobre a ausência do marido, Seki afirma que ele se encontra em Tóquio, trabalhando. À noite, no entanto, começa a ter visões do fantasma do marido. Procura o consolo com Toyoji, mas este a recusa. Inicia-se uma investigação policial. Toyoji, para acobertar o cadáver, todo dia joga folhas secas sobre o poço. É surpreendido, certo dia, pelo filho do proprietário, que desconfia dele. Assassina-o . Vítima cada vez maior de alucinações, Seki põe fogo em sua casa, enquanto Toyoji, arrependido, pede-lhe para que o deixe entrar. São presos pelas autoridades e levados para uma lenta execução pública.
Sem a mesma força e caráter transgressor e iconoclasta de seu filme anterior, O Império dos Sentidos (1976), Oshima parece se aproximar aqui das características habituais associadas aos chamados “filmes de arte” europeus, seja em sua grande estetização visual ou no plano estritamente  narrativo. A clássica narrativa da traição do marido e depois não consumação do amor extra-conjugal, possui uma centenária tradição literária e, no cinema, entre outros exemplos, filmes como Pacto de Sangue (1944) de Billy Wilder e Crimes D´Alma (1950), de Antonioni. Este filme teria potencialmente como diferencial apenas a apresentação do drama clássico sob o filtro da cultura local, mas esta é apresentada de forma grandemente superficial (as pitadas de realismo fantástico nipônico soam não menos inconvincentes). O que talvez falte para tornar mais densa a motivação da traição - já que esta se consuma rapidamente - certamente sobra no cansativo desenvolvimento da narrativa após o crime e seu esperado desfecho final. Muito menos possui qualquer  atmosfera  convincentemente erótica. Prêmio de direção no Festival de Cannes. Argos Filmes/Oshima Productions. 110 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário