CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Filme do Dia: Nora Helmer (1974), Rainer Warner Fassbinder


Nora Helmer - Poster / Capa / Cartaz - Oficial 1


Nora Helmer (Alemanha Ocidental, 1974). Direção: Rainer Werner Fassbinder. Rot. Adaptado: Rainer Werner Fassbinder, baseado na peça de Ibsen.. Fotografia: Günter Steinke. Montagem: Anne-Marie Bornheimer & Friedrich Niquet. Dir. de arte: Friedhelm Boehm. Figurinos: Barbara Baum. Com: Margit Carstensen, Joachin Hansen, Barbara Valentin, Ulli Lommel, Klaus Löwitsch, Lilo Pempeit, Irm Hermann.
Nora Helmer (Cartensen) vê o seu casamento e sua vida burguesa ameaçada quando um dos funcionários da empresa de seu marido (Hansen), Krogstad (Lommel) é demitido pelo mesmo. Ele ameaça denunciar ao ex-patrão que Nora recebeu dinheiro dele em troca de favores amorosos quando o marido necessitou de um caro tratamento médico. Nora procura dissuadi-lo, já que tampouco consegue reverter o desejo do marido. Após os apelos de Nora para que o marido não atenda a sua correspondência até o momento de uma festa, após esta ele fica sabendo de tudo. Mais preocupado com a repercussão social que pode gerar do que propriamente com o fato de ter sido traído ou da esposa ter usado de expedientes ilegais, assinando uma promissória no nome de seu já falecido pai, Torvald perdoa tudo quando uma carta de Krogstad chega as mãos de Nora, enviando a promissória. Agora é Nora que afirma não mais querer morar com o marido, a quem considera um completo estranho.

O estilo abertamente anti-naturalista das interpretações casa-se à perfeição com a estrutura teatral, que não é ocultada por qualquer tentativa dispensável de “soar mais cinematográfica”. Aqui toda a ação transcorre na residência dos Helmer e se não se chega a fazer uso do minimalismo dos cenários de Afinal, uma Mulher de Negócios (1972) tampouco se deixa de fazer uso de artifícios abertamente teatrais, como o momento em que Nora discute seu destino com o Dr. Rank  e ao fundo se observa uma das criadas conversar com a amiga de Nora, sendo que a discussão dos dois é imperceptível a elas. Se as interpretações e os cenários são marcadamente teatrais, a forma como ambos são explorados, através de virtuosos movimentos de câmera, que marcam sua distinção com a produção anterior do cineasta e que ganhariam seu ápice em Roleta Chinesa se fazem aqui presentes e, juntamente com filtros na imagem e um intenso jogo de espelhamentos, ao ponto de a determinados não se saber mais qual a imagem e o seu reflexo, ganham uma verve cinematográfica.  Outros momentos se destacam por sua disparidade em relação ao conjunto visual, como aquele no qual se observa somente as silhuetas das faces de Nora e sua amiga Christine sussurando ou – e principalmente – o momento em que Nora rompe com o marido, quando se observa um uso intensamente inspirado de sobreposições de imagens dos dois que parece corresponder a intensa carga emocional vivenciada a partir de uma conversa em um mesmo aposento em que os personagens não chegam praticamente a se mover. Visualmente o último recurso aparentemente parece ter sido explorado somente aqui.  Trata-se de um momento na carreira do realizador em que lhe interessa grandemente adaptações da literatura que destaquem a posição da mulher diante de uma sociedade extremamente regida por valores patriarcais (como é o caso de Effi Briest), assim como a ruptura das mesmas com tal ordem. Tal discurso aqui, presente praticamente no início ao final na preocupação eminentemente econômica e social de Torvald, é explicitada de vez no momento em que o mesmo se dirige a ela como mais uma de suas posses. SR/Telefilm Saar GmbH. 107 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário