CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Filme do Dia: Expresso para Bordeaux (1972), Jean-Pierre Melville


Expresso para Bordeaux (1972) Poster


Expresso para Bordeaux (Um Flic, França/Itália, 1972). Direção e Rot. Original: Jean-Pierre Melville. Fotografia: Walter Wottitz. Música: Michel Colombier. Montagem: Patrícia Neny. Dir. de arte: Théobald Meurisse. Cenografia: Pierre Charron. Figurinos: Colette Baudot. Com: Alain Delon, Richard Crenna, Catherine Deneuve, Riccardo Cucciolla, Michael Conrad, Paul Crauchet, Simone Valère.
Após assaltarem banco de uma pequena cidade, um homem do grupo se fere gravemente. Ele é deixado em um hospital e é morto por um membro da quadrilha que não participou do assalto, Cathy (Deneuve), mulher da noite que trabalha na boate cujo proprietário, Simon (Crenna), é também o líder do bando, e que é freqüentada igualmente pelo comissário de polícia Coleman (Delon), sendo os dois amantes de Cathy. Simon participa de uma rocambolesca operação em que consegue, a partir de um helicóptero, roubar duas malas cheias de cocaína de um trem em movimento, antes que a polícia detenha o traficante. Porém, a identificação do homem morto do bando e a prisão de um outro fecham o cerco ao grupo. Paul Weber (Cucciolla) se suicida antes de ser pego e Simon é morto pelo amigo Coleman diante de Cathy.
A atmosfera do filme, que Melville construía com sua habitual maestria, advém de diálogos lacônicos e de elegantes movimentos de câmera e cortes secos utilizados na urdidura sem pressa de uma narrativa que se apresenta em boa parte da primeira metade do filme tal e qual um quebra-cabeças. A desconfiança sobre quem sabe o que transparece através dos olhares trocados. A expressão do suspense de Melville tampouco se dá a la Hitchcock, mas antes pelo contrário, através desse mesmo silêncio e de um preciso uso do tempo, prolongando alguns planos para além do habitual. Técnica que é utilizada com mais ênfase na seqüência final, na qual Coleman interrompe a tentativa de diálogo iniciada por seu assistente, que se encontra a seu lado na viatura policial, suscitando o subentendido, e findando por ser mais expressiva que qualquer diálogo. É evidente que ao fazer o agente da justiça e do crime compartilharem o mesmo ambiente e a mesma mulher o realizador está mais que sugerindo que se tratam, na verdade, de duas faces de uma mesma moeda. E Coleman deixa isso evidente no tratamento brutal que dispensa aos que são interrogados. Último dos 14 filmes dirigidos por Melville, que morreria no ano seguinte. Corona Cinematografica/EIA/Oceania Produzione/Paris Films. 98 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário