CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Filme do Dia: A Mosca (1986), David Cronenberg


A Mosca Poster




A Mosca (The Fly, EUA, 1986). Direção: David Cronenberg. Rot. Adaptado: Charles Edward Pogue & David Cronenberg, a partir do conto de George Langelaan. Fotografia: Mark Irwin. Música: Howard Shore. Montagem: Ronald Sanders. Dir. de arte: Carol Spier & Rolf Harvey. Cenografia: Elinor Rose Galbraith. Figurinos: Denise Cronenberg. Com: Jeff Godblum, Geena Davis, John Getz, Joy Boushel, Leslie Carlson, George Chuvalo, Michael Copeman, David Cronenberg.
Numa festa, Seth Brundle (Godblum) convida a jornalista Veronica Quaife (Davis), a conhecer uma maravilha que elaborou em seu apartamento. Somente após certo tempo é que Veronica se dá conta de que se trata de um teletransportador, capaz de transferir matéria sólida de um terminal para outro. Veronica, mesmo contra a vontade de Seth, comenta as experiências com o seu editor e ex-namorado, Stathis (Getz), que não acredita na história. Seth faz um acordo com Veronica para que ela não divulgue com mais ninguém até a conclusão do experimento. A primeira experiência com um babuíno é mortal para a cobaia. Porém, pouco tempo depois ele consegue realizar uma experiência bem sucedida. Numa noite na qual Veronica tenta acertar de uma vez suas diferenças com Stathis, Seth se embriaga e entra ele próprio na máquina, sem se perceber que uma mosca também se encontrava presente nela. Em pouco tempo seu comportamento irritadiço e mudanças na sua fisionomia são percebidas por uma horrorizada Veronica. Veronica se descobre grávida de Seth e numa visita ao ginecologista é raptada por Seth. Stathis vai ao apartamento de Seth e é ferido pelo mesmo, enquanto Veronica, mesmo lutando contra si própria, consegue destruir a criatura cada vez mais horrorosa em que se transformou Seth.
Mesmo ornado por referências literárias, o filme talvez perca o que o seu menos pretensioso antecessor, A Mosca da Cabeça Branca (1958),  possuía de melhor, que era o fantástico emergindo lado a lado com a realidade de uma família americana o mais convencional e insípida. Aqui, como os personagens parecem desvinculados de quaisquer outros laços que não sejam os do trabalho e a mudança geracional justifica sem maiores inverossimilitudes tal postura, perde-se ao mesmo tempo com tal opção o interessante convívio entre o trivial e o fantástico, que acabara por tornar o filme anterior mais próximo de Kafka do que essa produção. De resto, Cronenberg aproxima o filme de seu habitual universo gosmento de criaturas que se auto-reproduzem – algo que não chega a ser exatamente uma novidade em termos de efeitos especiais desde, pelo menos, Alien (1979), de Ridley Scott, que por sinal já havia sido copiado de um filme de Cronenberg menos conhecido pelo grande público, Calafrios (1975). As interpretações são pouco além de passáveis, com um Goldblum demasiado óbvio enquanto cientista diletante alucinado e Davis por demais inexpressiva como sua amante o que, guardadas as devidas proporções, não o distingue tanto assim da versão anterior. A opção por inserir momentos de deboche auto-consciente por parte de um Seth disforme e caricato parecem, por sua vez, aproximá-lo mais de uma sátira deslocada ao próprio filme do que alimentar qualquer tensão dramática. Cronenberg surge numa ponta como ginecologista. O filme foi produzido pela companhia de Mel Brooks. Brooksfilms para 20th Century Fox Film Corp. 96 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário