CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Filme do Dia: Laços de Sangue (1951), Ida Lupino

Laços de Sangue Poster

Laços de Sangue (Hard, Fast and Beautiful, EUA, 1951). Direção: Ida Lupino. Rot Adaptado: Martha Wilkerson, baseado no romance de John R. Tunis. Fotografia: Archie Stout. Música: Roy Webb. Montagem: George C. Schrader & William H. Ziegler. Dir. de arte: Albert S. D´Agostino & Jack Okey. Cenografia: Harley Miller & Darrell Silvera. Com: Sally Forrest, Claire Trevor, Carleton G. Young, Robert Clarke, Kenneth Patterson, Marcella Cisney, Joseph Kearns, William Hudson, George Fisher.
Quando a jovem Florence Farley (Forrest) demonstra ser um potencial talento para o tênis sua mãe, Millie (Trevor) e o ex-campeão Fletcher (Young) percebem que podem agenciar a carreira dela e gozar dos lucros provenientes da mesma. Aos poucos Florence se torna distante do noivo Gordon (Clarke) e do pai Will (Patterson), os únicos que realmente se preocupavam com ela. Quando descobre que se tornara um joguete da mãe, Florence passa a tratá-la de modo cínico e distanciado, decidindo abandonar a carreira de tenista após vencer mais um campeonato.
Esse melodrama decepcionantemente convencional de Lupino, em nada faz lembrar a mesma realizadora da sutil crônica social de O Bígamo, realizado pouco após. Talvez um dos poucos pontos positivos do filme seja o modo tenso com que representa as partidas de tênis, longe da facilidade com que os esportistas campeões ganham habitualmente no cinema. Não existe meios tons no modo que o “eixo do mal” é aqui contraposto ao do bem. A Millie de Trevor ensaia um sorriso adocicado evocativo ao de Joan Fontaine, mas esse não se completa, pois se encontra patente sua falsidade e seu final, patético e solitário, sem marido, arremedo de amante (pois a sua relação com Fletcher enfatiza algo que vai além do mero interesse em comum pelos ganhos com a filha, embora a censura da época via de regra não permitisse evocações abertas de traição conjugal) ou filha. No final das contas, talvez a questão que mais se sobressaia para um público contemporâneo é o da difícil conjugação entre vida privada e pública por parte da mulher e a satisfação apontada pela dupla masculina do bem significa igualmente a negação desse papel público à figura feminina, ao associá-lo com a frivolidade vaidosa do mundo da fama e do dinheiro. Algo igualmente distanciado da postura habitual de Lupino, mais simpática com uma visão de mulher mais progressista e dinâmica. The Filmakers para RKO Radio Pictures. 78 minutos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário