CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Filme do Dia: Mulher Infiel (1969), Claude Chabrol

Stephane Poster


Mulher Infiel (La  Femme infidèle, França/Itália, 1969). Direção e Rot. Original: Claude Chabrol. Fotografia: Jean Rabier. Música: Pierre Jansen. Montagem: Jacques Gaillard. Com: Stéphane Audran, Michel Bouquet, Stéphane Di Napoli, Maurice Ronet, Louise Chevalier, Donatella Turri.
           Desconfiado que a mulher, Helene (Audran), o trai, Charles (Bouquet) contrata um homem para vigiá-la. Mãe dedicada de Michel (Di Napoli), Helene não se furta a sair da residência em Versalhes para Paris duas ou três vezes por semana. Charles descobre que o amante é Victor Pegala (Ronet). Um dia o visita, afirmando ser um marido liberal e a mulher uma ninfômana, e assassina Pegala. Põe o corpo da vítima em seu carro e o joga em um lago. As investigações policiais se aprofundam e Charles é preso.
     Com uma narrativa extremamente sucinta e objetiva, Chabrol mais uma vez explora o crime no universo banal da classe média. Porém, no final das contas, parece menos interessado no próprio crime, que em apontar a ironia do esposo indiferente que demonstra seu amor no momento final, quando é levado preso ou da esposa que, mesmo tendo descoberto o retrato do amante no bolso do casaco do marido, prefere calar e ficar de seu lado. A austeridade e o distanciamento emocional com que a história é descrita ganham aliados nas soberbas interpretações do casal protagonista e na recusa da dispersão do enredo em subtramas ou personagens que não sejam os diretamente envolvidos. Em um momento em que Helene anda pelas ruas de Paris, um cinema exibe As Corças, filme do cineasta produzido pouco antes. Audran viveria novamente o personagem-símbolo Helene em O Açougueiro (1969). Cinegai/Les Films la Boétie. 98 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário