CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 13 de dezembro de 2015

Filme do Dia: Em Busca de um Sonho (1962), Mervin LeRoy


Em Busca de um Sonho (Gypsy, EUA, 1962). Direção: Mervin LeRoy. Rot. Adaptado: Leonard Spigelglass, a partir do musical de Arthur Laurents e do livro de memórias de Gypsy Rose Lee. Fotografia: Harry Stradling Sr. Música: Jule Styne. Montagem: Philip W. Anderson. Dir. de arte: John Beckman. Cenografia: Ralph S. Hurst. Figurinos: Orry-Kelly & Howard Shoup. Com: Rosalind Russell, Natalie Wood, Karl Malden, Paul Wallace, Betty Bruce, Parley Baer, Morgan Brittany, Ann Jillian, Harry Shannon.
Rose Hovick (Russell) é uma veterana do vaudeville, que após um grande sucesso com suas filhas e um grupo de rapazes próximos, finda por ver a crescente decadência da carreira, assim como a desagregação do grupo. Seu empresário e companheiro Herbie Sommers (Malden), é um dos poucos que a acompanha nessa acidentada trajetória, assim como sua filha Louise (Wood). Rose foca toda sua atenção em Louise, considerada a filha menos talentosa da trupe – a outra havia seguido carreira por si só. Quando buscam um retorno a um palco de certo destaque, descobrem que se encontram em meio a um espetáculo de variedades burlesco, de forte apelo sexual, o que desagrada inicialmente Rose. Quando Herbie descobre que a mãe apoia a iniciativa da filha na nova carreira, a abandona, como os dois maridos que Rose tivera anteriormente. Louise, no entanto, torna-se, com o apoio da mãe, uma celebridade do strip-tease, mais evocado do que efetivamente realizado, tornando-se Gypsy Rose Lee e ganhando notoriedade que sua mãe jamais teve quando jovem, o que causa uma relação de animosidade entre mãe e filha.
Embora o fato de se deter nos bastidores do entretenimento norte-americano o faça se aproximar, por esse viés, da temática talvez mais recorrente do gênero musical em seus anos dourados – dos quais LeRoy foi um dos colaboradores a erigir, ainda que não exatamente dos mais talentosos – não o transforma necessariamente num musical. É verdade que a presença de Jerome Robbins como coreógrafo e Nat Wood como atriz, ambos associados ao recém-lançado Amor, Sublime Amor, deve ter servido como chamariz à época de seu lançamento, mas o que essa produção talvez detenha de interessante aos olhos de meio século após seja o fato de apresentar em sua narrativa um momento de mutação no universo do show business  norte-americano que possui como espelhamento às próprias mudanças que estavam se efetivando no campo da indústria cinematográfica, algo que fica patente nas transformações que ocorrem em gêneros clássicos como é o caso do próprio musical. Aqui, a ênfase no aspecto da atenção maior aos bastidores se faz visível: o único número com uma maior presença de palco, cenografia e coreografia apresentado, logo ao início do filme, descobre-se ser um teste para um produtor, portanto sem a presença do público. Por outro lado, a cenografia demasiado estilizada e as situações de forte dose de sentimentalidade que envolvem a relação entre mãe-filha, não apenas incorporam elementos do melodrama clássico, no estilo Stella Dallas como borram as distinções entre palco e “vida”, ressaltando o caráter de espetáculo da própria representação na vida cotidiana. Que não se espere grandes arroubos de coreografia e/ou cenografia, esses chegam a ser evocados já quase como um tributo a uma época finda – a determinado momento um personagem cita Fred Astaire. O filme, apesar de possuir uma metragem desnecessariamente excessiva, torna-se mais interessante menos por Natalie Wood, no auge da carreira e do seu repertório algo limitado de expressões faciais, que pela personagem vivida com uma bravura a um passo do falso e ridículo de Russell, longe de ser uma mera mãe-vilã ao estilo de Mamãezinha Querida, mas tampouco destituída de uma forte dose de pragmatismo, ressentimento e oportunismo. A própria Gypsy Rose Lee, que tentou uma carreira no cinema no passado se encontrou com Natalie Wood nos estúdios durante a filmagem e, dada a nova onda de celebridade momentânea envolvendo esse filme, teria seu espaço na TV. Aldrich pescou elementos dessa história para o seu hoje de longe mais lembrado e igualmente fazendo uso de uma caracterização de intepretação excessiva de suas protagonista, O Que Aconteceu com Baby Jane?, lançado no mesmo ano. Warner Bros. 143 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário