CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

The FilmHandbook#54: Os Irmãos Coen


Os Irmãos Coen
Joel Nascimento: 29/11/1954, Minneapolis, EUA
Ethan Nascimento: 21/09/1957, Minneapolis, EUA

Carreira (como diretores): 1984-

Apesar de serem "fedelhos do cinema" (Joel estudou cinema na New York University), Joel e Ethan Coen se diferenciam de seus pares em seu aparente desejo de trabalhar com orçamentos relativamente modestos nas margens do establishment hollywoodiano. Como seus predecessores, no entanto - particularmente o jovem Spielberg - são inspirados menos por produções de prestígio hollywoodianas que pelos filmes B e animações. Até o momento, os irmão tem trabalhado como equipe: Joel dirige, Ethan produz, ambos escrevem. Sua estreia certeira, Gosto de Sangue/Blood Simple>1, foi um estilizado filme noir. Sua premissa básica (um proprietário de bar no Texas é traído pelo detetive que havia contratado para assassinar sua esposa infiel e seu amante) é transformada por um roteiro criativamente tortuoso numa sutil, quase farsesca, análise da eterna incompreensão dos seres humanos em interpretarem as ações dos outros: embora o público compreenda o que está acontecendo, os personagens, com suas percepções distorcidas pela suspeita, medo e inveja, patinam no escuro e destroem amigos, inimigos e eles próprios. O crime é também um negócio sujo e cansativo - um personagem é enterrado vivo - assim como, no irremediavelmente decadente Texas dos Coen, o detetive corrupto (interpretado maravilhosamente por M. Emmett Walsh) sua sem parar.

Se Gosto de Sangue deriva mais da ficção barata e dos filmes B que da vida real, os roteiros dos irmãos para o sarcástico mas pouco disciplinado Dois Heróis Bem Trapalhões/Crimewave de Sam Raimi e para o seu próprio Arizona Nunca Mais/Raising Arizona>2 foram reminiscentes da divertida anarquia bidimensional dos desenhos animados da Warner. Abrindo com um brilhante monólogo pré-créditos, Arizona Nunca Mais narra sobre o amor de um pequeno marginal compulsivo e incompetente por sua carcereira na prisão: casados mais inférteis, o casal sequestra um bebê,  cujo pai magnata contrata um motociclista ensandecido para encontrar a matar os culpados. Uma sátira surreal e pastelão, reveladora em seu agitado enredo, cores berrantes e hilariantes personagens excêntricos.

Com todo seu faro visual e hábeis performances na tela em seus filmes, a maior de todas as virtudes dos Coen reside na escrita. Em termos de suas histórias dinâmicas, engenhosos diálogos e a criação de um universo de fantasia coerente e plausível povoado por personagens marcantes, sua habilidade de trabalhar temas originais ou variações comercias de gêneros sinalizam um futuro promissor.

Cronologia
Embora a maestria visual dos Coen encontre paralelos em Jean-Jacques Beiniex, Luc Besson e Raimi, sua escrita remete ao estilo habilidoso e dinâmico de figuras do passado como Wilder, Sturges e Tashlin. Seus contemporâneos mais próximos podem ser Dante e Zemeckis.

Destaques
1. Gosto de Sangue, EUA, 1984 c/Dan Hedaya, Frances McDormand, M.Emmett Walsh

2. Arizona Nunca Mais, EUA, 1987 c/Nicolas Cage, Holly Hunter, John Goodman.

Texto: Andrew, Geoff. The Film Handbook. Longman: Londres, 1989, pp. 58-9.

Nenhum comentário:

Postar um comentário