CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Filme do Dia: Amarga Ironia (1945), John Farrow





Amarga Ironia (You Came Along, EUA, 1945). Direção: John Farrow. Rot. Original: Ayn Rand & Robert Smith sob o argumento do ultimo. Fotografia: Daniel L. Fapp. Música: Victor Young. Montagem: Eda Warren. Dir. de arte: Hans Dreier & Hal Pereira. Cenografia: Bertram C. Granger. Figurinos: Edith Head. Com: Robert Cummings, Lizabeth Scott, Don DeFore, Charles Drake, Judith Bishop, Kim Hunter, Robert Sully, Helen Forrest.
O trio de heróis de guerra, Major Bob Collins (Cummings), Capitão “Shakespeare” Anders (DeFore) e tenente Janoschek (Drake) é surpreendido ao saber que quem os irá ciceronear em sua turnê pelos Estados Unidos é a bela Ivy Hotchkiss (Scott). Sofisticada e independente, Hotchkiss agenda todos os encontros secretos do trio com inúmeras garotas por todas as cidades que passam. Aos poucos, no entanto, o trio começa a ficar cada vez mais interessado por Ivy. Quem consegue realmente conquista-la, no entanto, é o Maj. Collins que, no entanto, é portador de uma doença incurável. Mesmo sabendo de tudo, Ivy decide casar com ele.
Essa tosca comédia romântica aparentemente apenas veículo para o lançamento da bela Lizabeth Scott, que conquistou um raro papel principal já em seu primeiro filme e de meteórica carreira, aos poucos se transforma num melodrama de desfecho previsivelmente trágico. Embora aparentemente exista uma tentativa de ir contra os clichês associados aos gêneros, com as toscas piadas iniciais do grupo a respeito de mulheres, se contrapondo à maturidade de Ivy, o filme acaba igualmente por desmascarar a “máscara” de impessoalidade e autonomia da protagonista, apresentando-a em pouco tempo como uma mulher frágil, apaixonada e indefesa, para quem o marido prefere mentir e se afastar para morrer longe dela. No mais, a ousadia permitida à época para as brincadeiras envolvendo a sexualidade, hoje plenamente datadas, e mais um retrato de mulher que se auto-anula para se tornar dona de um lar (na melhor tradição do melodrama) que sabe que terá que vida curta. Paramount Pictures. 103 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário