CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Filme do Dia: O Melhor Lance (2013), Giuseppe Tornatore


O Melhor Lance Poster


O Melhor Lance (La Migliore Offerta, Itália, 2013). Direção e Rot. Original: Giuseppe Tornatore. Fotografia: Fabio Zamarion. Música: Ennio Morricone. Montagem: Massimo Quaglia. Dir. de arte: Maurizio Sabatini, Maurizio di Clementi & Andrea di Palma. Cenografia: Rafaella Giovanetti. Figurinos: Brioni Maurizio Millenotti. Com: Geoffrey Rush, Jim Sturgess, Sylvia Hoeks, Donald Sutherland, Philip Jackson, Dermot Crowley, Kiruna Stamell, Liya Kebede.
Virgil Oldman (Rush) é um homem maduro que nunca conseguiu se aproximar das mulheres. Distanciado e de modos excêntricos, é um refinado conhecedor da arte e eventualmente trapaceiro nos leilões que comanda com a ajuda de um amigo, Billy (Sutherland). A situação muda de configuração quando uma jovem misteriosa, Claire (Hoeks), pretende fazer um inventário de seus pais falecidos numa villa romana repleta de antiguidades. O primeiro obstáculo, compartilhado com o amigo Robert (Sturgess), que pretende criar um autômato a partir de peças que Virgil encontra na mansão, é o de ver Claire, que sofre de uma doença que a mantém reclusa em seus aposentos. Tempos depois, Virgil perceberá que esse é apenas um dos obstáculos que terá que enfrentar antes de ter acesso a uma verdade que lhe destruirá psiquicamente.
Guiado pela elaboração em dupla linha que aponta as evidentes imbricações entre o avanço do interesse de Virgil por Claire e a montagem do autômato que pretende emular um ser humano em alguns aspectos, como a fala, tal como aquele presente no conto de Poe, o filme também evidencia paralelos dessa dupla estrutura na própria história de amor que apresenta quanto na sua leitura enquanto desenvolvimento narrativo/gênero. Porém não será a torção que aplica a uma trama demasiado romântica, quase uma atualização dos romances góticos do cinema norte-americano da década de 1940, com direito a um elemento catártico que praticamente libertará a heroína de sua trágica reclusão  que o salvará de suas “limitações” que o filme se deterá.  As fichas se encontram postas na caracterização do personagem principal, nos movimentos de câmera, na trilha sonora  e em todas as demais piscadelas que apontam para um pretenso senso de virtuosidade narrativa. E, como cereja do bolo, a construção do clichê do personagem solitário, a quem é dedicado uma sobremesa em homenagem ao seu aniversário em meio a um restaurante de luxo, vivido por um Rush que se especializou em cacoetes de tipos excêntricos, reproduzidos aqui no que se pretendem sutis tiques na face. Ao final, o filme trafega entre tempos distintos e sua atmosfera persecutória-paranoica é construída sem dificuldade após o mundo afetivo sonhado por Virgil que guia o filme até quase o final somente se manter por ser associado ao seu ponto de vista em praticamente tudo que é exposto. Há a evidente conclusão, de contornos praticamente morais, de que alguém com o tino para descobrir entre uma obra autentica e uma falsificação no universo da arte se torna incapaz de fazê-lo quando o que se encontra em questão é um universo que praticamente desconhece, o dos sentimentos. Em última instância, é inescapável um certo senso de melancolia de se assistir a um filme de um cineasta que necessariamente teve que se render a certos mecanismos comuns à indústria cinematográfica internacional (o filme ser falado em inglês e com elenco internacional, a falta de aderência efetiva do mesmo ao local onde a trama ocorre,  a facilidade com que a construção psicológica dos personagens rapidamente se esboroará para atingir o efeito-surpresa buscado pelo filme, etc.) para voltar a ter um certo destaque em sua carreira francamente em declínio ou mesmo nunca impulsionada além do filme-fenômeno (Cinema Paradiso) que a marcou. Paco Cinematografica/Warner Bros. para Warner Bros. 131 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário