CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Filme do Dia: Duelo en el bosque de chapultepec (1896), Gabriel Veyre



Un Duelo a Pistola en el Bosque de Chapultepec (México, 1896). Direção: Gabriel Veyre.
Encenção ou não? Essa é a pergunta que acompanha certamente um dos primeiros filmes que Veyre realiza no México. E não se trata de uma pergunta fútil, no sentido de que se trata de uma vida humana. Caso a resposta seja afirmativa, como é provável que seja – dada a existência de um verdadeiro gênero que explorava a encenação de mortes e fuzilamentos – trata-se de uma morte mais realista do que as habitualmente encenadas então. Caso a resposta seja negativa, trata-se de um dos primeiros registros, senão o primeiro, que flagram o momento de uma morte de um ser humano – Eletrocuting an Elephant, produzido por Edison, somente faria algo semelhante sete anos após, e com um elefante como afirma o título – algo que pode ser levemente alimentado pelo fato de Veyre ser conhecido quase exclusivamente por “flagrantes” da realidade mais que propriamente encenações. Poder-se-ia pensar que tal como os Lumière, e em meio a briga de galos, banhos e laçadas de cavalos, Veyre teria feito seu L’Arrouser Arousé mas, na verdade, e ao contrário dos Lumière, o filme de Veyre certamente tinha o intuito de se passar como um registro real do ocorrido. Destaque para o fato do tiro e do corpo caindo se dar logo nos primeiros segundos.  Gabriel Veyre. 34 segundos

Nenhum comentário:

Postar um comentário