CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Filme do Dia: As Invasões Bárbaras (2003), Denys Arcand

As Invasões Bárbaras (Les Invasions Barbares, Canadá/França, 2003). Direção e Rot. Original: Denys Arcand. Fotografia: Guy Dufaux. Música: Pierre Aviat. Montagem: Isabelle Dedieu. Dir. de arte: François Séguin & Caroline Alder. Cenografia: Patrice Bengle & Annika Krausz. Figurinos: Denis Sperdouklis. Com: Rémy Girard, Stéphane Rousseau, Dorothée Berryman, Louise Portal, Dominique Michel, Yves Jacques, Pierre Curzi, Marie-Josée Croze, Marina Hands.
        A mãe de Sébastien (Rousseau), que é um bem sucedido homem, de negócios em Londres, avisa-lhe que seu pai se encontra em situação complicada de saúde em Montreal. Sébastien parte com a esposa de volta ao Canadá e, através do dinheiro, consegue reunir desde os amigos de juventude do pai, como heroína para atenuar a dor sentida por Rémy, transmissão de mensagens via satélite pela Internet da sua irmã, que se encontra de férias e uma visita de cortesia de seus ex-alunos. Consegue, inclusive, aproximar-se afetivamente do pai, ainda que com muita dificuldade. O choque de gerações e maneiras de encarar a vida, no entanto, não se dissolve de todo. Embora a barreira que Sébastien criou para se tornar um bem sucedido profissional, que inclui sua relação morna com a esposa, ameace se romper após a morte do pai e a aproximação de uma viciada, Nathalie (Croze), que se interessa para cuidar do pai no hospital,  a razão fala mais mais alto e ele retorna para a Inglaterra.
       Com uma sutil ironia, Arcand, que retorna aos personagens de seu mais famoso filme, O Declínio do Império Americano, realiza um filme sobre amizade e amor que, apesar de uma certa dose de sentimentalismo e manipulação emocional, consegue ir além do lugar-comum ao atrelar a esse drama de despedida uma reflexão sobre os valores de duas gerações bem diferentes. Assim, se a geração rebelde de Rémy afundou-se na auto-condescendência e na fuga dos valores familiares, a de seus filhos apresenta uma reaproximação dos velhos padrões morais, sendo o casal representado por Sébastien e sua esposa o maior exemplo. Enquanto Sébastien é o oposto do pai, conhecido por sua vida libertina, ao se dedicar de corpo e alma a sua carreira, sua esposa renega o trauma da separação que vivenciou dos pais e sonha com uma vida de fidelidade ao marido. No plano social, o individualismo dos novos tempos gera uma situação em que a saúde pública se encontra caótica (os corredores do hospital público em que Rémy é atendido nada ficam há dever aos seus semelhantes do Terceiro Mundo) e os sindicatos são celeiros de corrupção, atestando um Estado do Bem Estar Social à beira da falência. Ironicamente, no entanto, tudo o que provoca a felicidade de Rémy nos últimos dias de sua vida provém justamente do dinheiro proveniente dos valores que o professor humanista mais detesta. Nesse sentido, o filme vai muito além dos filmes de reencontro de amigos, centrados apenas em uma indulgente e nostálgica revisão do passado, tais como Nós que Nos Amávamos Tanto, de Ettore Scola. Apesar de não descuidar de tal nostalgia, presente sobretudo na seqüência em que Rémy rememora as personalidades por quem foi apaixonado, destacando atrizes do cinema, talvez o mais interessante do filme se encontre presente na própria leitura subliminar das mudanças ideológicas, nunca analisadas de uma forma meramente maniqueísta. Assim, se Rémy faz um mea culpa, a certo momento, dos excessos da ideologia em sua geração, tendo como matriz o próprio cinema (ao encontrar uma chinesa que vivenciara os horrores da Revolução Cultural, sentira-se estúpido ao elogiar o movimento, pois o conhecia somente através dos filmes de Godard), é a semente desse passado utópico que irá provocar uma influência para que a jovem drogada abandone o processo de auto-destruição e niilismo absoluto. O filme que Rémy é obcecado pelas pernas de Ines Orsini é uma produção italiana de 1949, dirigida por Augusto Genina, Céu Sobre o Pântano. Prêmios de melhor atriz e roteiro no Festival de Cannes. Astral Films/CNC/Cinémaginaire/Harold Greenburg Fund/Le Studio Canal +/Production Barbares/Pyramide Productions/Sociéte Radio-Canada/SODEC/Téléfilm Canada. 99 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário