CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 1 de março de 2014

Filme do Dia: Gláuber, o Filme - Labirinto do Brasil (2003), Sílvio Tendler

Glauber, o Filme – Labirinto do Brasil (Brasil, 2003). Direção: Sílvio Tendler. Rot. Original: Sílvio Tendler & Orlando Senna. Fotografia: Walter Carvalho & Fernando Duarte. Música: Caíque Botkay & Eduardo Camenietzki & Sílvio Tendler. Dir. de arte: Helio Jesuíno.
Essa cinebiografia de Tendler (do notável Jango), para além de uma série de entrevistas não muito reveladoras com personaliades que conviveram com o cineasta, se detém sobretudo nas imagens do funeral e velório de Glauber Rocha, em agosto de 1981, filmadas pelo próprio Tendler e que ficaram proibidas pela família desde então, curiosamente seguindo o mesmo destino de Di Cavalcanti, curta-metragem que Gláuber filmou e que motivou esse documentário. Entre as personalidades entrevistadas se encontram desde  Arnaldo Carrilho (ex-diretor da Riofilme) e Fabiano Canosa, diplomata e divulgador do cinema brasileiro no exterior até o crítico de cinema italiano Lino Miccichè, o filósofo Regis Debray, as atrizes Norma Benguell e Helena Ignez, os atores Hugo Carvana, Paulo Autran e Othon Bastos, os cineastas Cacá Diegues, Orlando Senna, Nélson Pereira dos Santos, Paulo César Sarraceni e Arnaldo Jabor, o músico Jards Macalé e o escritor João Ubaldo Ribeiro (que com sua descontração propicia alguns dos mais divertidos, pessoais e despretensiosos comentários sobre o cineasta). Porém, o resultado final é constrangedoramente banal e anedótico, deixando de lado qualquer possibilidade de se perceber a real dimensão estética e a influência mundial do cineasta, ou fazer jus ao seu subtítulo, apresentando as reais influências tanto recebidas como despertadas por Glauber no panorama da cultura nacional. Aproxima-se de uma tendência recente do cinema nacional de retratos biográficos em longa-metragem seja de personalidades vivas (Paulinho da Viola – Meu Tempo é Hoje, Nelson Freire) ou mortas (as cinebiografias de Santos Dumont e Sérgio Buarque de Hollanda). Caliban Produções Cinematográficas. 100 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário