CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 20 de março de 2014

Meu Caro Diário, 06/05/2004

Vi um cartaz no posto próximo do metrô onde estava escrito “encontrei cão preto com coleira marrom” e o número do celular. Fiquei imaginando como o bichano estaria sendo tratado. Com o mesmo desprendimento que são os reféns ricos em casas de pobres? Ou com o mesmo apreço que o cartaz de letras vermelhas sobre fundo amarelo havia sido confeccionado? Qual o interesse de quem pôs o anúncio? Receber uma régia – e o termo me faz lembrar Ismail ontem, afirmando que fora muito bem pago pela Globo para oferecer palestras no Projac, mas não “regiamente”, como reproduzira um aluno – recompensa ou apenas ou apenas fazer o bem ser ver a quem? O bichano teria pose de aristocrata? Agora escuto Chet Baker no CCSP em uma canção que não reconheço. Esta manhã saí de minha letargia afásica quando percebi a complicação no qual me vi envolvido com a babaquice de um termo de contrato da CAPES que não pode reconhecer firma aqui e tive que importunar o povo lá de casa. Tentei Van Carder e Cris, mas eles ficaram espertos – (...) -  o suficiente para não atenderem minhas chamadas-apelos. Tudo porque não consegui ligar de telefone público. Saía uma mensagem com aquele odioso e irritante sotaque paulista. Quase quebro o telefone público de um shopping. Agora apenas torço que tudo dê certo. Quero esquecer tudo e imergir no universo fassbinderiano. De qualquer forma, o ódio e o desespero provocam uma energia e uma sensação de vivacidade e poder que me é totalmente estranho nas ações cotidianas. Não consegui almoçar no CCSP pois já havia encerrado quando cheguei. Comi só uma esfirra com um suco de lata de pêssego. Sinto-me paranóico e abandonado pelos amigos. O idiota do A. não teve nem a dignidade de me responder os comentários sobre seu trabalho. Talvez tenha ficado ofendido, porque quisesse apenas confetes. Naza simplesmente ignorou meu mail alucinado ao som de My Funny Valentine

Nenhum comentário:

Postar um comentário