CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Filme do Dia: W.R.- Mistérios do Organismo (1971), Dusan Makavejev


Resultado de imagem para w.r. mistérios do organismo 1971 poster


W.R. – Mistérios do Organismo (W.R – Misterije Organizma, Iuguslávia/Al. Ocidental, 1971). Direção e Rot. Original: Dusan Makavejev. Fotografia: Aleksander Petkovic & Predrag Popovic. Música: Bojana Marijan. Montagem: Ivana Vukasovic. Dir. de arte: Dragoljub Ostojic. Figurinos: Mirjana Ostojic. Com: Milena Dravic, Ivica Vidovic, Jagoda Kalper, Tuli Kupferberg, Zoran Radmilovic, Jackie Curtis, Miodrag Andric, Zvica Matic.

Esse filme, talvez o mais conhecido e polêmico de Makavejev, revela seu talento para a mescla entre ficção e documentário, centrando-se na temática da vanguarda revolucionária e – principalmente – sexual, através da figura emblemática de Wihelm Reich. De sua primeira metade, eminentemente documental, com entrevistas com moradores da pequena cidade em que Reich morou, dados biográficos sobre o autor e entrevistas com sua viúva, pode-se até imaginar um documentário relativamente convencional. Porém, o filme passa a se deter cada vez mais na história de duas garotas iuguslavas, uma, Milena (Dravic) obcecada em pregar a liberação sexual, a outra, Jagoda (Kalper) mais ocupada com a prática. Milena se apaixona pelo astro da patinação artística Vladimir Ilych (Vidovic), o que lhe trará funestas conseqüências. Ao mesmo tempo em que o filme apresenta certa sobriedade e sem qualquer comentário maior, em termos de intervenção, técnicas reichanas para liberar os pacientes de suas “couraças” emocionais, não deixa de associar com bom humor tais teorias com o mero oportunismo sexual em sua parcela ficcional. Humor que também alfineta os teóricos sexuais que mais falam do que o praticam realmente. Infelizmente muitas de suas estratégias – incluindo um personagem em interação com transeuntes reais pelas ruas de Nova York, as suas metáforas e a sua mofa de um realismo soviético extremamente kitsch, assim como muito de seu humor e apelo erótico, sendo um dos filmes não pornográficos mais ousados nesse sentido – hoje soam um tanto quanto datados. Presença do astro de Warhol, Jackie Curtis, cuja biografia é narrada em Jackie Curtis, Superstar. Neoplanta Film/Telepool. 85 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário