CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 25 de março de 2016

Filme do Dia: Fechando Números (1993), Stephen Wittaker




Fechando Números (Closing Numbers, Reino Unido, 1993). Direção: Stephen Whittaker. Rot. Original: David Cook. Fotografia: Nicholas D. Knowland. Montagem: Max Lemon. Dir. de arte: Terry Auckland-Snow. Figurinos: Amy Roberts. Com: Jane Asher, Tim Woodward, Nigel Charnock, Hazel Douglas, Frank Mills, Patrick Pearson, Keeley Flanders, Jamie Glover, Martin Glower.
          Anna (Asher), esposa de classe média, descobre que o marido, Keith (Woodward), mantém uma relação com outro homem, Steve (Pearson) e que possui boas possibilidades de ser soropositivo, ainda que se negue a fazer o exame. Porém, ao saber que um amigo de Steve, Jim (Chanock), se encontra em um estado avançado de AIDS, resolve prestar seu auxílio, tornando-se próximo dele e de sua mãe, que decide morar com o filho. Ao mesmo tempo, Anna tem que lidar com o desaparecimento de Keith e contar tudo ao filho adolescente, que decide dessistir de prestar seleção para Oxford, preferindo ir com Steve atrás do pai e trazê-lo de volta à casa. Enquanto isso, Anna é chamada pela mãe de Jim, após uma grave crise que resulta na morte dele. Keith retorna à família e, sem precisar de exames, descobre no espelho ser portador do HIV.
Essa esquemática produção sufoca qualquer possibilidade de se tornar realmente interessante e explorar com densidade a situação trágica que aborda ao se render  a um moralismo quase didático cujo mensagem de fundo é “devemos amar nossos parentes soropositivos”. Seu apelo sentimental e as facilidades com que as situações pretensamente conflitivas se resolvem ao final, além das interpretações canhestras, contribuem para um melodrama folhetinesco banal tão profundo quanto o de uma telenovela. Film Four Int. 95 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário