CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 24 de março de 2016

Filme do Dia: California Suite (1978), Herbert Ross


California Suite Poster


California Suite (EUA, 1978). Direção Herbert Ross. Rot. Original: Neil Simon. Fotografia: David M. Walsh. Música: Claude Bolling.  Montagem: Michael A. Stevenson. Dir. de arte: Albert Brenner. Cenografia: Marvin March. Figurinos: Patricia Norris. Com: Jane Fonda, Alan Alda, Maggie Smith, Michael Caine, Walter Matthau, Elaine May, Richard Pryor, Bill Cosby, Gloria Gilford, Sheila Frazier.
Um grupo de visitantes se hospeda no Hotel Beverly Hills.  De Nova York, chega Hannah Warren (Fonda), divorciada a nove anos do marido Bill, com quem possui uma filha adolescente de quem terá que se separar por alguns meses, e vivendo um momento de vulnerabilidade. De Londres chegam para a noite do Oscar a favorita Diana Barrie (Smith) e seu marido bissexual Sidney (Caine). Da Filadélfia, Marvin (Matthau) tenta se livrar da garota de programa que o irmão lhe enviou com a chegada da mulher, MIllie (May). De Chicago Gump (Pryor) e sua esposa Lola (Gilford) vem para umas férias com Willis (Cosby) e sua esposa Bettina.
Canhestra comédia que se apóia sobretudo no seu elenco estelar, típico da década, comum sobretudo em filmes-catástrofe e nos diálogos eminentemente teatrais que fazem com que o filme se torne completamente refém desses, abdicando de qualquer qualidade cinematográfica. Tampouco Simon ou Ross fazem qualquer esforço de interação nas suas histórias paralelas, sendo de longe a menos desenvolvida e mais sofrível – inclusive por sua evidente carga de preconceito social e racial - a dos dois casais negros que pretende buscar alguma hilaridade em suas infantis trapalhadas. Maggie Smith, interpretando uma derrotada na noite do Oscar acabaria ganhando um na vida real pelo mesmo papel. Fonda e Alda, no eixo dramático, são a pior expressão da carga de teatralidade grotesca que acomete o filme. Ao tentar remeter ao gênero do filme de várias tramas ao redor de um mesmo espaço, no caso em questão um hotel, o filme demonstra a sua evidente inferioridade, inclusive em termos de produto audiovisual, para não falar da moda extremamente kitsch, que impregna figurinos, direção de arte, trilha sonora e tudo o mais, com relação a um dos primeiros exemplares do gênero, Grande Hotel (1932), de Edmund Goulding. De resto uma arrastada ausência de criatividade, presente inclusive na sua referência pouco sutil A Um Passo da Eternidade, onde como se não bastasse a  locação senão a mesma, muito semelhante a do filme original, onde acontece o fervoroso beijo de Lancaster e Kerr,  Fonda ainda faz questão de se referir ao filme. Rastar Films. 103 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário