CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Filme do Dia: Rumo à Alemanha (1950), Ingmar Bergman

Rumo à Alemanha (Till glädje, Suécia, 1950) Direção: Ingmar Bergman. Rot.Original: Ingmar Bergman. Fotografia: Gunnar Fischer. Montagem: Oscar Rosender. Com: Maj-Britt Nilsson,  Stig Olin,  Birger Malmsten,  John Ekman,  Victor Sjöström, Ernst Brunman,  Margit Carlqvist,  Berit Holmström, Erland Josephson,  Björn Montin,  Sif Ruud.
        O jovem violinista Stig (Olin) inicia sua carreira em uma orquestra ao mesmo tempo que a jovem Marta (Nillson), também proveniente do mesmo vilarejo que ele. Marta convida-o para sua festa de aniversário. Enquanto Stig se prepara para a festa, cortando seu cabelo e comprando um urso de pelúcia para Marta, é abordado por Marcel (Mamsten), que o avisa de que ela não passa de uma garota fácil. Na festa, Stig bebe além da conta e confessa suas ansiedades e fraquezas, que acredita serem as mesmas de todo o grupo. Stig casa-se com Marta, tendo como padrinho o maestro Sönderby (Sjöström). Incentivado pelo maestro Sönderby, que apesar de sua ranzinice, passa a se tornar amigo do casal,  Stig se apresenta como primeiro violinista e a noite é um grande fracasso, frustrando suas expectativas de mudar-se para Estocolmo. Atormentado com sua sensação de eterno derrotado, Stig inicia o processo de deterioração de seu relacionamento com Marta, tratando-a cada vez pior, mantendo uma relação extraconjugal com Nelly (Carlqvist), mulher do decadente Mikael (Ekman), sob o incentivo do próprio e chegando a espancar Marta. Marta decide separar-se, levando consigo as crianças. Arrependido e sentindo-se extremamente mal, Stig escreve uma carta onde expressa seu arrependimento e sua tentativa de voltar a viver junto de Marta e dos filhos. Porém quando um novo período de felicidade se prenuncia, Stig avisa sobre o falecimento de Marta, que havia partido para um final de semana de veraneio com os filhos, após a explosão do fogão que levara.
           O tema do jovem casal que vê o idílico amor da juventude se desvanecer rapidamente após o casamento é uma das preocupações centrais dos primeiros filmes de Bergman. Tanto a estrutura formal - como a narrativa predominantemente em flashback, com exceção do prológo e do final, quanto uma história semelhante seria melhor lapidada em Monika e o Desejo (1952), talvez o trabalho mais marcante de sua fase inicial. Notável é o curioso flashback dentro do flashback na narrativa - um comentário com caráter meio que galhofamente intromissor feito por Sönderby, embora o filme todo  seja uma rememoração de Stig. Bergman já se utiliza de forma algo tributária de Sjöstron, veterano cineasta e ator do cinema sueco, que teria interpretação marcante alguns anos depois em seu Morangos Silvestres (1958). A seqüência final, com o pai se apresentando orgulhosamente no ensaio da  orquestra para o filho que se senta na primeira fila da platéia vazia, soa redundante e demasiado convencional. O realizador utiliza-se do mesmo recurso da justaposição de imagens, que evocam nostalgicamente os momentos vividos pelo casal através do personagem masculino, no final de Monika e o Desejo, ainda que aqui sem o mesmo impacto. A seqüência da tentativa de sedução da mulher de Mikael e rejeição inicial de Stig é muito semelhante a vivida por personagens de  O Desafio (1965) de Paulo César Saraceni. Svenskfilmindustri. 98 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário