CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Filme do Dia: Latitude Zero (2000), Toni Venturi




Latitude Zero (Brasil, 2000). Direção: Toni Venturi. Rot. Adaptado: Di Morettti, baseado em peça de Fernando Bonassi. Fotografia: Jacob Solitrenick. Montagem: Idê Lacreta. Dir. de arte: Andréa Velloso. Cenografia: Helcio Pugliese. Com: Jane Duboc, Cláudio Jaborandy.
Lena possui um posto comercial em uma região desértica e na qual os caminhões nunca param. Grávida de oito meses, ela recebe a inesperada visita certo dia de Vilela (Jaborandy), foragido de um assassinato cometido. Inicialmente sujeitando-o a todo tipo de humilhações, Lena começa aos poucos a se interessar por ele. Ele arruma e torna o local mais atraente para os caminhoneiros que, no entanto, nem por isso passam a freqüentá-lo. Quando Lena se encontra prestes a parir, ele foge com o dinheiro que ela acumulava para sair do local. Desesperada, Lena quebra todos os seus utensílios e tem o seu parto sozinha. Depois de alguns meses, Vilela reaparece. A partir de agora ele se torna o verdadeiro chefe da casa, chegando a estuprar Lena a certo momento. Afogando suas mágoas em álcool, entra no quarto de Lena disposto a matar sua criança.
As pretensões de Venturi não se tornam mais que isso. Sua fraca direção de atores e a abstração do local e do tempo em que transcorre sua história, tornam tanto os personagens inverossímeis quanto o próprio filme algo incorpóreo e não representativo de uma experiência concreta. Apesar de trabalhar bem com os silêncios que pontuam os conflitos entre os protagonistas, os diálogos pouco burilados, muitas vezes tampouco críveis por traírem a origem social diversa de quem os criou e a já referida interpretação canhestra dos atores acabam por remeterem a uma concepção de teatro filmado que nem seu apurado senso estético em planos de transição com belas imagens em tom pastel e azul da paisagem inóspita consegue diluir. Ainda que o silêncio que impera nos primeiros contatos do futuro casal e sua comunicação monossilábica evoquem a tradução de um primitivismo e rudeza presentes em um filme como Vidas Secas, tal sensação é rapidamente desconstruída quando os diálogos se tornam mais freqüentes e se percebe a ausência de qualquer tradução poética ou realista dos mesmos. Já a referência à criança apenas através de seu choro tonitroante, que procura maximizar a sensação de angústia e impotência (explorada com melhor sucesso em um filme como Uma Mulher de Negócios de Fassbinder) diante da própria derrota se torna tão over quanto os próprios personagens e, pior, sua supressão é utilizada somente enquanto recurso surpresa na seqüência do crime final. Olhar Imaginário para Riofilme. 90 minutos.


2 comentários:

  1. Bom, muito bom!
    Um abraço Cid.
    Bom início de semana.

    ResponderExcluir
  2. Valeu Beth! Um abraço, minha amiga, e boa semana para você também!!

    ResponderExcluir