CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

domingo, 25 de março de 2018

Filme do Dia: Perdidos na Noite (1969), John Schlesinger


Resultado de imagem

Perdidos na Noite (Midnight Cowboy, EUA, 1969). Direção: John Schlesinger. Rot. Adaptado: Waldo Salta, baseado no romance de James Leo Herlihy. Fotografia: Adam Holender. Música: John Barry. Montagem: Hugh A. Robertson. Dir. de arte: John Robert Lloyd. Cenografia: Philip Smith. Figurinos: Ann Roth. Com: Jon Voight, Dustin Hoffman, Sylvia Miles, John McGiver, Brenda Vaccaro, Bernard Hughes, Jennifer Salt, Viva, Bob Balaban.
        Joe Buck (Voight) é um texano caipira recém-chegado que tenta vencer a vida em Nova York como prostituto. Porém, devido a sua ingenuidade, chega a ser explorado por uma de suas próprias clientes e pelo aleijado “Ratso” Rizzo (Hoffman), um marginal que vive quase como indigente. Rizzo propõe a se tornar o empresário de Buck. Com dificuldade para encontrar clientes em meio às mulheres, Buck se torna frequentador assíduo dos locais para contato homossexual na rua 42. Enquanto é objeto do desejo sexual dos mais diferentes tipos, como de um jovem estudante reprimido (Balaban), Buck fantasia se encontrar com sua namorada do Texas e divide o miserável apartamento de Rizzo. A piora do estado de saúde desse e sua utopia de viver na Flórida tudo que até então lhe fora negado, faz com que Buck se engaje em conseguir dinheiro para viagem, inclusive ser extremamente violento com um  homossexual idoso. Buck e Rizzo partem para Flórida, mas antes de desembarcarem, Rizzo morre ao seu lado.
        O filme, certamente o mais famoso e reconhecido de Schlesinger (embora inferior ao posterior Domingo Maldito), tornou-se um marco na guinada para uma maior liberalização de abordagens anteriormente exclusivas de produções fora do circuito comercial. Assim, não se escusa em apresentar detalhes de práticas do submundo gay com uma franqueza desconcertante para os padrões da época, como os encontros sexuais em cinemas e banheiros. Possui como uma de suas maiores virtudes menos a explicitação de sua visão do que seja a sordidez de tais ambientes que apresentar personagens que vivenciam o outro lado do Sonho Americano, de uma maneira geral sub-representados na cinematografia americana e a apresentação de uma Nova York pulsante e viva como poucas produções anteriores captaram. Por outro lado, é prejudicado por preferir “maquiar” a nítida conotação homossexual, presente no romance da relação entre os dois protagonistas; prática que, aliás, persiste até os dias de hoje (como exemplo a adaptação de Uma Mente Brilhante). Para representar a cena underground, sobretudo em uma festa psicodélica, o cineasta utilizou boa parte do elenco das produções da Factory de Andy Warhol. Florin Productions/Jerome Hellman Productions para a United Artists. 113 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário