CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

#ELENÃO

segunda-feira, 19 de março de 2018

Filme do Dia: Der Gang in die Nacht (1921), F.W. Murnau


Resultado de imagem para der gang in die nacht f.w.murnau

Der Gang in die Nacht (Alemanha, 1921). Direção: F. W. Murnau.  Rot. Adaptado: Carl Mayer, a partir do roteiro de Harriet Bloch. Fotografia: Max Lutze. Dir. de arte: Heinrich Richter. Com: Olaf FÆnns, Erna Morena, Conrad Veidt, Gudrun Bruun-Stefenssen, Clementine Plessner.
O médico Eigil Borne (FÆnns) abandona sua noiva Lili (Bruun-Stefenssen) por uma corista que finge um acidente para se aproximar dele, Helene (Morena). Junto com Helene, Borne monta uma clínica em uma ilha distante. Lá vive seu idílio amoroso até a chegada de um misterioso pintor cego (Veidt), que pretende que ele o cure. O cirurgião consegue curá-lo, porém descobre que Helene agora se encontra nos braços do pintor, ficando em completo estado de perturbação.  O pintor volta a ficar cego e Helene lhe implora que seu ex-marido os auxilie, mas ele se recusa. Arrependido, ele vai atrás dela e a encontra morta.
Esse drama, caracteristicamente pessimista e sombrio como as obras associadas tanto a Murnau quanto a Mayer, é o filme mais antigo do realizador que ainda permanece completo. Seu romantismo delirante abdica de referências funestas explícitas. Ainda que o interior da mansão de Eigil talvez se encaminhe nesse sentido, a maior parte do filme é construída em locações a céu aberto. Porém até mesmo esses cenários acabam de um modo ou de outro contaminados, ainda quando no momento de idílio amoroso do casal, por uma eminência trágica que parece se anunciar a cada momento. Essa ocorre, de fato, e de modo bastante evidente, com a chegada do personagem vivido por Veidt, ele próprio já uma referência sinistra desde que vivera pouco antes seu papel mais famoso, o Cesare de O Gabinete do Dr. Caligari(1919). Se há algo que aproxima esse filme dos filmes mais marcademente expressionistas contemporâneos é o tema das paixões desenfreadas, de uma interioridade que não mais se contém em si mesma e explode em gestos de ira ou amor. Tal manifestação aqui prescinde de qualquer auxílio de trucagens como era habitual (O Gabinete do Dr. Caligari, A Morte Cansada, Sombras e, do próprio Murnau, O Castelo Vogelod). E a narrativa como um todo, igualmente, prescinde de entretítulos, técnica pioneira da dupla Mayer-Murnau - ainda que Lotte Eisner afirme que existiam muitos e abundantes para essa produção, perdidos como alguns trechos do próprio filme -  que chamaria a atenção de boa parte do mundo, podendo ser  perfeitamente contada a partir apenas da maestria da narrativa visual – algo que voltaria a ser presente em filmes tão diversos quanto Sombras e A Última Gargalhada (1924), filme igualmente de Murnau que seria bem mais influente e considerado, equivocadamente, por muitos como o primeiro filme a deixar de lado os entretítulos. Há uma dimensão moralista acentuada no drama, assim como o sempre lembrado por Kracaeur “infantilismo” que acomete os personagens masculinos em relação à figura da mulher – tanto o pintor quando o médico são observados, em momentos diversos, encostando suas frontes sob o ventre acolhedor de Helene. Murnau parece já ensaiar com Veidt, o seu pouco realista e mesmo sombrio modo de se movimentar e mover as mãos, o que faria com o personagem-título de Nosferatu (1922). 77 minutos.