CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Filme do Dia: Mauvaise Conduite (1984), Néstor Almendros & Orlando Jiménez-Leal


Mauvaise Conduite Affiche Originale 120 X160 (1984) - Nestor Almendros - Cuba


Mauvaise Conduite (França, 1984). Direção: Néstor Almendros & Orlando Jiménez-Leal.

Esse documentário compila, de forma quase exaustiva, uma série de depoimentos a respeito da perseguição aos homossexuais no regime cubano, inclusive com a criação de campos específicos de prisioneiros. Ao ficar restrito sobretudo aos depoimentos, complementados ocasionalmente com uma voz over, tem-se menos um retrato mais conciso e didático desse aspecto da repressão na sociedade cubana, em si pouco explorado ainda que conhecido, do que relatos parciais que parecem ter como função básica a de denúncia testemunhal. Esses se tornam um pouco mais enfraquecidos quando não poucos dentre os depoentes levantam críticas contra elementos considerados negativos ao regime que fogem do foco em si selecionado. Dentre os aspectos curiosos se encontra o posto por um dos depoentes de que o regime perseguia sobretudo os homossexuais efeminados, sendo que os mais masculinizados ou as lésbicas sofriam menos perseguições, pois no primeiro caso menos visíveis enquanto “desvio” ou “má conduta” frente aos valores sociais considerados dignos (herdados de um puritanismo bastante comum nos dogmatismos de esquerda do período como ressalta Susan Sontag) e no segundo mais palatáveis ao imaginário erótico masculino, como posto por Cabrera Infante. Dentre outros depoimentos marcantes está o do escritor Reynaldo Arenas, que posteriormente se tornaria tema de uma cinebiografia (Antes do Anoitecer). Há uma forte militância anti-castrista em um círculo de depoentes que, exilados ou desafetos que haviam anteriormente colaborado proximamente do próprio Fidel e de altos escalões do regime, não movem um centímetro evidentemente em sua visão sem qualquer concessão ao regime, por mais que uma depoente fale que não guarde mágoas das condições inumanas que passou quando detida ou que outro, que encerra o filme, afirme que a ojeriza aos homossexuais era bem anterior ao regime, que somente a potencializou. E é justamente com a falta de palavras para descrever o inexprimível com relação a situação, no silêncio desse último depoente, que o filme se encerra. O documentário espanhol Seres Extravagantes, de vinte anos após, faz uso de outras estratégias estilísticas e recorte sobre o mesmo tema, tendo como cerne a figura de Arenas.  Antenne 2/Les Films du Losange para Cinevista. 112 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário