CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Filme do Dia: Cartas do Saara (2006), Vittorio De Seta

Lettere dal Sahara Poster
Cartas do Saara (Lettere dal Sahara, Itália, 2006). Direção e Rot. Original: Vittorio De Seta. Fotografia: Antonio Grambone. Música: Ismaël Lô. Montagem: Marzia Mete. Com: Djibril Kebe, Paola Ajmone Rondo, Fifi Cisse, Thierno Ndiaye.
Assane (Kebe) é um refugiado senegalês que é salvo pela polícia italiana quando, juntamente com outros imigrantes, é jogado ao mar, próximo à costa. Quando se encontra em vias de ser deportado para seu país, foge e vai  de encontro a um parente que vive em situação de extrema penúria. Abandona-o para ir encontrar a prima Salimata (Cisse), hoje modelo. Porém, apesar de bem recepcionado, o fato de viver com um homem sem ser casada provoca o inconformismo de Assane que resolve partir para Turim, onde ouviu vagamente sobre condições de trabalho. Lá é auxiliado por uma professora de italiano, Caterina (Rondo), que consegue regularizar minimamente sua situação no país e transforma um jovem senegalês em seu irmão mais jovem. Porém, a violência sofrida na saída de uma casa noturna, traumatiza o jovem que retorna para seu país e reencontra a figura paternal de um ex-professor universitário (Ndiaye), discursando para outros jovens de uma aldeia distante de Dakar sobre a confusão e até mesmo a falta de crença em Deus após tudo o que havia sofrido sem motivação.
O realismo desse drama de tinturas políticas, acentuado ainda mais pela textura digital e rasa das imagens, pungente em seu humanismo, aproxima-se, em última instância, das mesmas limitações do cinema de um Ken Loach. Ou seja, uma tendência não somente a um certo maniqueísmo quanto – e pior – até mesmo uma idealização dos africanos como despidos de conflitos e eticamente superiores aos europeus. Assim, se o núcleo dramático europeu ainda consegue ser “complexificado”, apresentando uma sociedade capaz de gerar tanto pessoas grandemente receptivas ao protagonista (representado sobretudo por Caterina) quanto o seu oposto, na África tudo parece comunhão e paz. Em termos formais, igualmente, o filme é menos interessante que as propostas de outro realizador interessado em temas políticos no cenário italiano contemporâneo, Nanni Moretti, com filmes mais auto-reflexivos e menos esquemáticos. Como Loach, De Seta pole tanto seu personagem de qualquer dimensão vulgar que o resultado torna-se tanto dignificante quanto igualmente paternalista e redutor de uma representação mais ampla e verdadeiramente humana em seus paradoxos.  Prêmio da Cidade de Roma no Festival de Veneza. Metafilm/A.S.P. 100 minutos.


2 comentários:

  1. Compartilhada.
    Valeu pela enchente de cultura.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Valeu pelo carinho Beth. Tempos difíceis para a cultura e para a vida, que são a mesma coisa, se a gente pensar bem, né? Beijos...

    ResponderExcluir