CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Filme do Dia: Ardil 22 (1970), Mike Nichols



Ardil 22 (Catch-22, EUA, 1970). Direção: Mike Nichols. Rot. Adaptado: Buck Henry, baseado no romance de Joseph Heller. Fotografia: David Watkin. Montagem: Sam O´Steen. Dir. de arte: Richard Sylbert & Harold Michelson. Cenografia: Ray Moyer. Figurinos: Ernest Adler. Com: Alan Arkin, Martin Balsam, Richard Benjamin, Art Garfunkel, Jack Gilford, Buck Henry, Bob Newhart, Anthony Perkins, Paula Prentiss, Jon Voight, Martin Sheen,  Orson Welles.
       Segunda Guerra Mundial. Capitão Yossarian (Arkin) tenta desesperadamente ser tido como louco para ser dispensado dos vôos militares. Durante a sua tentativa, todos os seus amigos morrem das mais diversas formas.
          Nichols, joga-se de forma ousada na representação de uma história que fica sempre ambígua entre o real e o produto de uma alucinação de seu protagonista. E acaba, sem dúvida, pagando por sua ousadia, mesmo que essa seja em grande parte devida ao original literário, tendo sido não apenas fracasso de público quando de seu lançamento quanto uma tentativa, em grande parte fracassada, de se mover para um terreno próximo do cinema europeu, em sua ausência de causalidade e centralidade da dimensão subjetiva somado a alguns cacoetes dos filmes de gênero norte-americanos como a comédia e o filme de guerra. Em termos de comédia, também se aproxima da lógica absurda das comédias inglesas como as de Lester. O resultado final sendo eminentemente prejudicado, talvez por conta dessa mescla não ter efetivamente rendido nada substancial, ao contrário de outra sátira de guerra contemporânea aparentemente menos pretensiosa e com recursos de produção bem mais modestos, MASH (1970), de Altman. O que talvez mais prejudique o filme seja justamente a ausência efetiva de humor e alguns momentos de tentativa banal de paródia, como a precoce sátira de 2001: Uma Odisséia no Espaço (1968), utilizando o grandiloqüente tema de Strauss do filme para ilustrar o momento em que surge uma garota que atrai o protagonista (o tema musical já havia sido paradiado antes pelo cinema brasileiro com Meteorango Kid, O Herói Intergalático). Sua montagem circular faz com que a ordem dos episódios se torne ainda menos clara. Destaque para os virtuosos planos-seqüência, alguns dos quais colocam em um mesmo plano tanta informação visual que mais parecem serem fruto de alguma trucagem óptica, o que evidentemente não são. O fato de uma produção tão cara ter entre suas cenas uma felação praticada na rua, ainda que simulada, e outra na qual as vísceras de um soldado agonizante saltam de seu corpo, talvez sejam bastante evocativas do momento no qual foi produzido. Filmways Prod./Paramount Pictures para Paramount. 122 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário