CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Filme do Dia: El Húsar de la Muerte (1925), Pedro Sienna



El Húsar de la Muerte (Chile, 1925). Direção: Pedro Sienna. Rot. Original: Pedro Sienna & Hugo Silva. Fotografia: Gustavo Bussenius. Com: Pedro Sienna, Guilermo Barrientos, Dolores Anziani, Hugo Silva, Octavio Soto, Federico Geimza, Victor Véjar, María de Hannig.
Esse filme sobre um líder da independência chilena, Manuel Rodríguez e que se inspira sobretudo no gênero de aventura e capa&espada hollywoodiano, sendo que Rodríguez vive uma dupla identidade que surpreende sempre seus opositores, mesmo que evidentemente mais modesto que suas contrapartes norte-americanas, demonstra um maior vigor no estabelecimento de sua narrativa e no trato visual que as produções brasileiras contemporâneas. Curiosamente, a morte de Rodríguez não possui o menor apelo dramático, sendo aparentemente antecipada por uma longa cartela – do qual praticamente não se tem acesso ao conteúdo, pois a cópia, que sofreu inúmeras restaurações, a partir de fontes diferenciadas, apresenta alguns momentos que o tempo deixou suas marcas. Apesar do filme possuir ocasionais cartelas, a maior parte dos entretítulos, principalmente os vinculados aos diálogos e não expositivos, encontra-se sobreposta às próprias imagens. Ainda que para o elenco Sienna tenha buscado gente comum que nunca havia feito cinema, o herói é vivido por ele próprio e Hugo Silva, seu co-roteirista, também atua. Não faltam clichês, como o do garoto que é um reflexo em tamanho menor do ousado líder, que finda por cruzar  sua história com a de Rodríguez em vários momentos, e enterra o próprio corpo dele. E tampouco falta uma vilanização básica da elite afetada servil à monarquia metropolitana e dos guardas e oficiais a serviço dessa elite, apresentados como covardes, como é o caso do oficial escorraçado por Rodríguez após um confronto com espadas ou do soldado que espanca covardemente o garoto que acompanha os passos de Rodríguez e é flagrado imitando-o em uma brincadeira. É tido como o longa chileno mais antigo preservado e, não por acaso, uma narrativa de fundação da nação. Film Andes S.A. 65 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário