CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Filme do Dia: Ronda Noturna (2005), Edgardo Cozarinsky

Ronda Noturna (Ronda Nocturna, Argentina/França, 2005). Direção e Rot. Original: Edgardo Cozarinsky. Fotografia: Javier Miquelez. Música: Carlos Franzetti. Montagem: Martine Bouquin. Dir. de arte: Ignacio Lago. Com: Gonzalo Heredia, Diego Trerotola, Mariana Anghileri, Rafael Ferro, Darío Tripicchio, Susana Varela, Román Chaploski, Jana Bokova.
Víctor (Heredia) é um jovem prostituto que vaga pelas ruas de Buenos Aires, sendo cliente habitual de um inspetor de polícia que lhe dá cobertura. Belo e charmoso, sendo requisitado para fazer programa com pessoas distintas. Num deles, com a presença de vários membros de corpos diplomáticos, consegue cocaína para vender e consumir. Certa noite reencontra um amigo motorista de táxi que o leva para um motel, no qual tenta assassiná-lo. Posteriormente encontra uma jovem que afirma que lhe deixara grávida e tenta igualmente matá-lo, mas ele sobrevive.
Drama que busca – e em alguns momentos até consegue – traduzir de maneira poética a realidade do duro cotidiano de pessoas a margem da sociedade pelo prisma de seu protagonista., porém tendo como resultado final uma narrativa tosca em seu tom lacônico.  Essa última, ainda que aparentemente eivada por uma certa pretensão de  cunho mais autoral e sofisticado nada mais parece ser que uma falta de rumo com relação ao que se contar, bem diferente do efeito da elipse da cineasta argentina contemporânea Lucrecia Martel com o seu O Pântano. Aqui, muitos personagens e situações simplesmente são evocadas e não mais sequer citados posteriormente, como a relação entre o protagonista e o inspetor de polícia ou a mulher que surge ao final, aparentemente efeito alucinógeno com relação ao uso de drogas. Porém esse deambular sem destino de Víctor acaba sendo pouco efetivo em termos de densidade dramática tanto na construção da falta de perspectivas do mesmo quanto no retrato dos despossuídos vislumbrados na sua trajetória, elemento recorrente na dramaturgia cinematográfica recente do país. Cine Ojo/Les Films d´Ici. 81 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário