CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Filme do Dia: Fra' Diavolo (1942), Luigi Zampa


Fra' Diavolo Poster



Fra’ Diavolo (Itália, 1942). Direção: Luigi Zampa. Rot. Adaptado: Luigi Zampa, a partir da peça de Luigi Bonelli & Giuseppe Romualdi. Fotografia: Giovanni Vitrotti. Música: Constantino Ferri & Umberto Paoletti. Montagem: Rolando Benedetti. Cenografia: Ivo Batelli & Savino Fino. Figurinos: Giovanni Spellani. Com: Enzo Fiermonte, Elsa De Giorgi, Laura Nucci, Cesare Bettarini, Agostino Salvietti, Carlo Romano, Loris Grizzi, Marcello Giorda.

No final do século XVIII, Fra’ Diavolo (Fiermonte) é conhecido pelo exército napoleônico como bandoleiro e tido como herói pelos camponeses, grupo social ao qual faz parte, por sua luta pela libertação de Nápoles do domínio francês. Após casar com a influente e rica Fortunata (Consiglio), ele se torna general do exército napolitano. Porém, a vida doméstica e burguesa não o satisfaz, e ele continua a manter uma existência dupla, procurando salvar a pele de seus ex-companheiros de luta e mesmo voltando a comandar uma rebelião contra os franceses, com a ajuda de sua admiradora Gabriella (Nucci), que após vê-lo aprisionado e condenado à forca, consegue um induto que o liberta no último momento.

Essa estreia de Zampa na direção em nada faria supor o realizador que assinaria a soberba crônica dos anos sob o fascismo que é Anni Difficili (1948). Pode-se até argumentar que em ambos se encontram presentes elementos que dizem respeito à história prévia e contemporânea da nação italiana, mas no caso do primeiro esses evidentemente se encontram subjugados por sua narrativa bem mais próxima dos filmes de ação contemporâneos ao estilo de Zorro, sendo que a própria história do verdadeiro camponês que inspirou a peça na qual o filme se baseia – que aliás viria a ser executado ao final – presta-se bastante a tal apropriação. Talvez a maior virtude dessa produção seja conseguir relativamente se desvencilhar de sua origem teatral, tornando-se uma narrativa visual e algo como que uma prima pobre, em termos de gênero e de apropriação de eventos históricos, do mais sofisticado e pretensioso drama que também envolve a unificação italiana, ainda que num momento posterior, que é Piccolo Mondo Antico (1941), de Mario Soldati. A desfaçatez e ambiguidade com que Diavolo faz uso da relação com as duas mulheres que se apaixonam por ele não o tornam exatamente um exemplar de herói romântico tal como o do filme de Soldati, o que soaria como uma opção talvez demasiado pouco viril para as características do próprio gênero, cujo parentesco evidente com o western norte-americano não se resume evidentemente as cavalgadas coletivas, carruagens e tiroteios.  Pelo menos uma dúzia de outras versões da história do personagem chegaram às telas grandes ou pequenas, sendo ela particularmente popular no cinema mudo, com meia dúzia de filmes, não apenas italianos como igualmente uma produção britânica e outra americana (dirigida por Alice Guy). Fotovox para ICI. 80 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário