CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Filme do Dia: Hey There (1918), Alfred J. Goulding





Hey There (EUA, 1918). Direção: Alfred J. Goulding. Com: Harold Lloyd, “Snub” Pollard, Bebe Daniels, June Havoc, William Gillepsie, Billy Fay, Gus Leonard, Lige Conley, Sammy Brooks.


Rapaz (Lloyd) admirador de estrela de cinema (Daniels) tem que burlar a segurança do estúdio para conseguir entrar e, após aprontar inúmeras confusões, consegue encontra-la e falar das cartas que lhe escreveu por alguns segundos, antes de fugir do estúdio quando da chegada de um de seus perseguidores.

Curta rotineiro produzido por Hal Roach que,como inúmeras comédias de então (The Cinema Director, A Movie Star,  Dia de Estreia) tematiza um ou outro aspecto do universo do cinema (exibição, produção, star system, etc.). Desistindo do personagem de Luke, Lloyd aqui já começa a burilar a sua nova persona, calcada em seu próprio nome; se aqui trata-se de um anônimo “rapaz” nos créditos, visualmente já se encontra bem próximo da personificação através da qual Lloyd ganhará notoriedade, com um visual algo almofadinha, que inclui um boné aparentemente largo demasiado grande para sua cabeça e os óculos de aro e, no comportamento, a sua paixão arrebatadora por alguma jovem e uma timidez crônica. Lugares-comuns associados a esse universo de representação da indústria cinematográfica como o da entrada como penetra, que décadas depois ainda se encontrava em uso com Jerry Lewis ou da entrada nos camarins das estrelas, habituais igualmente no universo da animação, assim como confusões que ocorrem nos próprios sets de filmagens ganham bastante destaque.  Rolin Films para Pathé Exchange. 10 minutos e 18 segundos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário