CONTRA O GOLPE CIVIL-MIDIÁTICO-JUDICIÁRIO EM CURSO E PELO RETORNO DA DEMOCRACIA

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Filme do Dia: Blitz Wolf (1942), Tex Avery

Resultado de imagem

Blitz Wolf (EUA, 1942). Direção: Tex Avery. Rot. Original: Rich Hogan. Música: Scott Bradley.

Avery, no auge de sua inventividade anárquica, põe todo o seu talento nesse curta indicado ao Oscar da categoria. Aqui, a paródia de um dos clássicos do curta de animação dos estúdios Disney, Os Três Porquinhos(1933), serve como pretexto para o Lobo da série de animações altamente sexualizadas dirigidas por Avery parodiando personagens como Chapeuzinho Vermelho, encarnar ninguém menos que Hitler. Astuto e com um bigodinho que mesmo fazendo referência não chega a ser exatamente uma cópia do líder alemão, a animação faz referências mais pesadas ao Japão, simplesmente explodido com uma bomba, do que com a própria encarnação de Hitler, a determinado momento observado, numa cena típica do humor averyano, pedindo para que todos os ruidosos efeitos sonoros da guerra parem para que ele possa falar ao telefone com sua amada, sendo imediatamente atendido. Outra cena antológica é a que o Lobo e o tanque que é extensão do seu próprio corpo se transformam numa anágua para que ele consiga saltar umas pocinhas. Tampouco deixam de existir inúmeras referência ao próprio universo midiático, seja a série Dr. Kildare ou ao sempre parodiado ...E O Vento Levou. E referências fálicas a canhões de cano monumentalmente longo ou revigorados de sua malemolência após uma dose de vitaminas. Um dos motivos que certamente tornaria o Lobo ainda mais estranho às crianças americanas é o fato dele falar outra língua -  ele fala alemão, sendo algumas de suas falas legendadas. Diz-se que o produtor do núcleo de animação do estúdio aconselhou Avery a não caricaturar demasiado Hitler por não se saber ainda quem ganharia a guerra. Loew’s/MGM para MGM. 9 minutos e 50 segundos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário