CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 18 de julho de 2017

Filme do Dia: One of the Bravest (1914), Otis Turner

Herbert Rawlinson Picture

One of the Bravest (EUA, 1914). Direção: Otis Turner. Com: Herbert Rawlinson, Mary Ruby, Frank Lloyd.
Nora (Ruby) desperta a paixão de dois colegas bombeiros, Larry (Rawlinson) e Jim (Lloyd). O fato dela engatar um relacionamento com Larry faz com que Jim fique profundamente enciumado e articule estratégias para que o casal se separe, unindo-se ela com ele próprio. Casamento que logo se mostrará infeliz, com Jim alcóolatra, desempregado e maltratando Nora, que trabalha em uma fábrica. Quando ocorre um incêndio nessa, Jim tenta salva-la mas passa mal. Quem retira os dois do local é Larry, porém Nora sobrevive em ótimo estado de saúde enquanto Larry sucumbe.

A falta de sutileza das rivalidades masculinas em um triângulo amoroso que se anuncia como pólvora para explosão acompanha essa produção desde o início, como era usual à época (The Trail of Cards inicia de forma não muito distinta). A ambiguidade sorridente inicial da mocinha também é algo de praxe. Abusa-se igualmente, e tampouco uma característica incomum à época, de recardos e cartas, uma alternativa menos intrusiva de todo modo que as cartelas. Como os filmes produzidos por outros estúdios, embora a continuidade já se adivinhe na movimentação dos personagens, não existe propriamente ainda a prática sistemática do uso do raccord de forma tão premente quanto nas produções da Biograph. Destaque para o momento em que um dos personagens, o proprietário da fábrica onde a heroína trabalha,  corre por um então então prosaico cruzamento da após célebre Sunset Boulevard. E para os relativamente bem produzidos efeitos de simulação do incêndio. Como era de se esperar o vilão, vivido pelo também realizador Lloyd (que ganharia dois Oscars como tal, por Cavalgada e A Divina Dama)  morre praticamente abençoando a união de Nora e Larry, que encontra consolo evidentemente no peito desse, sinalizando para uma união próxima. Produzido pelo estúdio que se tornará  muito em breve a Universal. Powers Co. 27 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário