CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 23 de julho de 2017

Filme do Dia: Bicho de Sete Cabeças (2000), Laís Bodanzky


Resultado de imagem para bicho de sete cabeças cartaz

Bicho de Sete Cabeças (Brasil/Itália, 2000). Direção: Laís Bodanzky. Rot. Adaptado: Luiz Bolognesi, baseado no romance Canto dos Malditos, de Austrégesilo Carrano Bueno. Fotografia: Hugo Kovensky. Música: André Abujamra & Arnaldo Antunes. Com: Rodrigo Santoro, Gero Camilo,  Othon Bastos, Cássia Kiss, Altair Lima, Valéria Alencar, Marcos Cesana, Luís Miranda, Caco Ciocler, Jairo Mattos.
      
     
Neto (Santoro), jovem de São Paulo, envolve-se com um grupo de amigos e passa a fumar maconha ocasionalmente. Viaja para Santos e quando descobre que seu amigo é michê fica sem dinheiro para retornar a São Paulo. Ao pedir auxílio a uma moça, Leninha (Alencar), descobre os prazeres do amor. Ao retornar, porém, é levado sem o saber para o internamento compulsório em uma instituição psiquiátrica pelo pai, Seu Wilson (Bastos), que descobrira um cigarro de maconha em sua calça. Tendo que conviver com a triste realidade hospitalar, em meio a pacientes crônicos e irrecuperáveis, Neto sofre toda sorte de violência. Após perceber que não será atendido a sério pelo médico, Dr. Cintra (Lima), provoca uma desordem no hospital e reclama a um dos médicos sobre um dos enfermeiros mais violentos, Marcelo (Miranda). Leva eletrochoques e passa  dias em um cubículo solitário e escuro, para desespero de seu amigo paciente Ceará (Camilo). Após sair do hospital, o pai lhe arranja um emprego, porém a pressão no trabalho e a desilusão de reencontrar Leninha acompanhada o leva a um estado de confusão mental que chega ao auge quando é preso pela polícia, pichando muros e surta, sendo encaminhado para uma outra instituição psiquiátrica. Ao receber a visita do pai, o recebe com um cigarro aceso na mão e lhe deixa uma carga amarga, dizendo que jamais lhe perdoará pelo que fez.

Demasiado óbvio para ser instigante, o filme de Bodanzky pode ser um útil instrumento de divulgação dos ideais anti-manicomiais, porém deixa a desejar enquanto teor dramatúrgico. Na linha do filme-denúncia, filão que inspirou toda uma filmografia americana nos anos 1950, apresenta a podridão de um sistema que não se escusa em prolongar a internação dos pacientes –  como no caso do protagonista – para se beneficiar dos proventos econômicos do governo. Maniqueísta ao extremo – o personagem do pai e do médico são verdadeiras caricaturas do que há de mais ignóbil e perverso em contraposição a pureza do herói – o filme também é redundante em termos formais, como na utilização de temas musicais que apenas ressaltam a figura oprimida do paciente psiquiátrico. Semelhantemente a Um Estranho no Ninho, que retratou as mazelas sofridas no sistema psiquiátrico norte-americano, o filme provoca uma reação final de indignação, catártica o suficiente para expurgar qualquer reflexão mais substancial. Buriti Filmes/Cinematográfica Gullane´s/Dezenove Som e Imagem/Fabrica Cinema/Fundazione Montecine Veritá/Riofilme. 88 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário