CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Filme do Dia: The Little Match Seller (1902), James Williamson





The Little Match Seller (Reino Unido, 1902). Direção: James Williamson.

Talvez a primeira das diversas adaptações para o cinema tanto de ação ao vivo quanto de animação de um dos mais célebres contos de Andersen. Dirigido por Williamson, mais lembrado merecidamente por excentricidades do que ficou conhecido como Escola de Brighton, tais como as que põe em questão o próprio dispositivo de filmagem (The Big Swallow, How It Feels To Be Run Over). Quando envereda pelo plano da adaptação, que parece ter como premissa uma maior habilidade com questões no que concerne à narrativa, seu filme nem de longe consegue se aproximar de empreitadas como a do francês Zecca (com seu contemporâneo História de um Crime) ou mesmo de alguns conterrâneos contemporâneos (como é o caso de Scrooge; or Marley’s Ghost, de Booth). Aqui, não se envereda pelo terreno das cenas, ficando praticamente com uma única, a dos últimos minutos da protagonista. Se a modéstia torna a história mais compreensível que a de Booth, cuja primeira cena parece um tanto incipiente de informações para quem não conheça a obra original, assim como o motivo da perseguição de seu protagonista por um espírito, por outro lado essa parece ser uma solução algo cômoda e preguiçosa. Observa-se, através de sobreposições, presença quase indispensável nos filmes excêntricos de Brighton, mas igualmente nos que apresentam maior teor narrativo como os de Zecca ou Booth, os delírios da garota provocados pela fome, sempre que ela acende um palito de fósforo e ao sucumbir a neve e ao frio, sendo seu cadáver encontrado, de forma algo displicente e casual, portanto nada dramática, por um policial. A pequena atriz repete ad nauseum o gesto sofrido de decepção ao perceber que tudo o que vê relacionado a comida não passa de alucinação. Uma última sobreposição representa seu espírito saindo do corpo e sendo guiado por um anjo rumo aos céus. Jean Renoir, talvez tenha rendido a adaptação mais cativante da obra, em 1928. Williamson Kinematograph Co. 3 minutos e 15 segundos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário