CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Filme do Dia: Tarzan Contra Nova York (1942), Richard Thorpe


Tarzan Contra o Mundo Poster


Tarzan Contra Nova York (Tarzan´s New York Adventure, EUA, 1942). Direção: Richard Thorpe. Rot. Original: Miles Connolly, Gordon Kahn & William R. Lipman a partir do argumento de Connolly e dos personagens de Edgar Rice Burroughs. Fotografia: Sidney Wagner. Música: David Snell. Montagem: Gene Ruggiero. Dir. de arte: Cedric Gibbons. Cenografia: Edwin B. Willis. Figurinos: Howard Shoup. Com: Johnny Weissmuller, Maureen O´Sullivan, Johnny Sheffield, Virginia Grey, Charles Bickford, Paul Kelly, Chill Wills, Cy Kendal, Cheeta.
Tarzan (Weissmuller) e Jane (O´Sullivan) são surpreendidos pelo desaparecimento do filho adotivo do casal, Boy (Sheffield), que foi seqüestrado or inescrupulosos homens que administram um circo. Como a Justiça é lenta em recuperar o filho, Tarzan, com o consentimento de Jane, decide encontrá-lo por seus próprios meios, fugindo da polícia. Capturado pelos malfeitores, contará com a ajuda de seus amigos elefantes para sair da jaula e recapturar o filho. O juiz, apesar das acusações contra Tarzan, decide inocentá-lo.

 A fórmula entronizada em muitos dos filmes anteriores da série, sendo esse o último produzido pela Metro e da parceria Sullivan-Weissmuller, apenas desloca boa parte da ação para Nova York. O caráter de “bom selvagem” do protagonista, os histrionismos de Chita (aqui em dose maior do que o habitual), os malfeitores vindos do mundo ocidental se somam a uma curiosamente pouco explorada relação de estranhamento entre Tarzan e os equipamentos urbanos, assim como o conhecido prólogo inicial com um punhado de planos de animais e ambientes africanos. Alguns elementos típicos da ideologia liberal americana já reproduzidos pelo western como o herói acima das convencionalidades da lei – aqui não sem antes se tentar o método ortodoxo – são tão previsíveis quanto a soltura de Tarzan pelos elefantes, seguindo sem qualquer originalidade a mesma estratégia de A Fuga de Tarzan (1936). O título brasileiro está longe de fazer jus ao sentido do original, já que fica bastante claro que Tarzan não está lutando contra Nova York, no sentido de que uma das principais instituições representantivas dos valores dessa sociedade, a Justiça, compartilha da mesma elasticidade capaz não apenas de compreender como compartilhar da bonomia do herói, mesmo esse indo contra ela ao agredir o promotor e resistir a ordem de prisão. O primeiro Tarzan do cinema, Elmo Lincoln, faz aqui uma ponta não creditada como empregado do circo. MGM. 67 minutos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário