CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Filme do Dia: Madrugada da Traição (1955), Edgar G.Ulmer


Madrugada da Traição Poster




Madrugada da Traição (The Naked Dawn, EUA, 1955). Direção: Edgar G. Ulmer. Rot. Original: Julian Zimet. Fotografia: Frederick Gately. Música: Herschel Burke Gilbert. Montagem: Dan Milner. Dir. de arte: Martin Lencer. Cenografia: Harry Reif. Com: Arthur Kennedy, Betta St. John, Eugene Iglesias, Charlita, Roy Engel, Tony Martinez, Francis McDonald.
       O fora-da-lei Santiago (Kennedy) influencia em Manuel Lopez (Iglesias), um pobre agricultor índio, o desejo da riqueza fácil, ao contrário do que o próprio Santiago desejara. Embora tenha muito dinheiro, Santiago não possui o menor interesse nele e gasta-o à medida que ganha. Casado com Maria (St. John), a quem trata como sua serva, Manuel tenta trair Santiago, que não desconfia de nada e o tem em grande conta. Porém, na manhã que resolve abandonar a propriedade de Manuel, escuta indignado a confissão de que Manuel tentara atentar contra sua vida e de Maria que preferia abandonar o marido e fugir com ele. Chocado, Manuel leva Maria, porém ao retornar para salvar Manuel das garras da lei, é ferido mortalmente e recomenda que o casal parta sem ele.
        Sempre instilando talento e originalidade nos filmes de gênero de baixo orçamento que dirigiu, Ulmer não foge a regra nesse western psicológico. Menos do que qualquer preocupação realista, interessa ao cineasta trabalhar com metáforas e embaralhar os papéis sociais tidos como certos pela sociedade, fazendo com que o aparente vilão possua uma invejável nobreza de caráter e despojamento e o aparente mocinho seja extremamente mesquinho. Quando se tem em conta o quão pouco o cineasta tem em conta o realismo, o personagem do marginal, vivido por Kennedy pode ser apreciado, sem qualquer cobrança sobre a sua exarcebada bonomia e desapego às coisas materiais. Distante de toda a mística do oeste selvagem, com seus longos planos de planícies e vales, o cineasta se detém em planos fechados e perscruta relações sociais que bem poderiam transcorrer em qualquer metrópole. Universal. 82 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário