CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Filme do Dia: La Cifra Impar (1962), Manuel Antin

La cifra impar Poster

La Cifra Impar (Argentina, 1962). Direção: Manuel Antin. Rot. Adaptado: Manuel Antin & Antonio Ripoli, baseado no conto Cartas de Mamá, de Júlio Cortazar. Fotografia: Ignacio Souto. Música: Virtú Maragno. Montagem: Antonio Ripoli. Dir. de arte: Ponchi Morpurgo & Federico Padilla. Com: Lautaro Murúa, María Rosa Gallo, Sergio Renán, Milagros de la Vega, Maurice Jouvet, José María Fra.
Triângulo amoroso entre os irmãos, Luis (Murúa), Nico (Renán) e Laura (Gallo), acaba provocando a morte do elo mais frágil da corrente, Nico. Mudando-se de Buenos Aires para Paris, Luis e Laura não conseguem, no entanto, exorcizar o fantasma de Nico, que volta a ser evocado nas cartas da mãe senil (Vega).
Antin consegue um resultado bem interessante, entre os arroubos do melodrama e a frieza distanciada do cinema moderno, sobretudo francês, que lhe deve ter igualmente inspirado, o que traduz, de certa maneira, à época em que o filme foi produzido. Os diálogos por vezes se tornam por demais literários, assim como as interpretações – principalmente de Gallo – demasiado teatrais, porém essa estrutura dramática visivelmente herdeira de uma forte presença de elementos teatrais e literários se torna passível de apropriação pela própria narrativa, que exige um senso de claustrofobia e ausência de horizonte que reproduz no espaço físico o emaranhado psíquico dos personagens. A cenografia, principalmente no que se refere a casa da família dos irmãos, talvez seja representada de forma excessivamente gótica e sombria, na linha de Rebecca (1940), de Hitchcock, porém serve para contrapor o universo da mãe e um sentido de família tradicional em oposição ao aspecto clean do casal moderno que vive em Paris. Renán está bem como o tímido e cruel Nico, que tem plena consciência do que provocará com sua morte iminente, aproximando-se ligeiramente do Norman Bates de Psicose, porém sem ser tão excessivo quanto Perkins e o mesmo se dá com Murúa que vive um Luis de extrema conteção emocional. O próprio filme reproduz essa contenção, com a balança pendendo portanto para as apropriações do cinema moderno que o cineasta faz uso, como a trilha sonora, que apenas surge em determinados intervalos e que, se inicialmente aparente ser aliada do melodrama clássico, finda por soar igualmente estranha e inquietante, com seus acordes pouco melodiosos. Ou ainda a constante mistura entre presente e passado, que na maior parte das vezes ocorre sem a menor sinalização. Filme de estréia de Antin, também romancista, e o primeiro de uma trilogia de adaptações da obra de Cortazar, que inclui ainda Circe (1964) e Intimidad de los Parques (1965). Trata-se também da primeira de mais de uma dezena de adaptações cinematográficas da obra de Cortázar para o cinema. Harding-Shon. 85 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário