CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Filme do Dia: As Duas Faces da Felicidade (1965), Agnès Varda


As Duas Faces da Felicidade Poster



As Duas Faces da Felicidade (Le Bonheur, França, 1965). Direção e Rot. Original: Agnès Varda. Fotografia: Claude Bausoleil & Jean Rabier. Música: Jean-Michel Defaye. Montagem: Janine Verneau. Dir. de arte: Hubert Munloup. Figurinos: Claude François. Com:  Jean-Claude Drout, Claire Druout, Olivier Druout, Sandrine Druout, Marie-France Boyer, Marcelle Faure-Bertin, Manon Lanclos, Sylvia Saurel.
François (Jean-Claude Druout) vive uma vida maravilhosa com sua esposa Therese (Claire Druout) e um casal de filhos(Olivier e Sandrine Druout) até que, numa viagem de trabalho, é abordado por uma jovem e bela telefonista, Émilie (Boyer), por quem se sente atraído. François passa a ter um relacionamento extra-conjugal com Émilie, mas em nenhum  momento pretende abandonar sua família, como  deixa bem claro para a amante. François revela tudo para a esposa, que parece reagir com compreensão, e logo depois fazem amor. Porém, quando ele acorda, não a encontra mais, vindo a encontrá-la afogada. Passa então, após certo tempo, a se relacionar mais abertamente com Émilie, que passa igualmente a fazer o papel de mãe para as crianças.
É impossível não se perceber semelhanças dessa obra de Varda, considerada a mais polêmica de sua carreira, com o que seu então marido, Jacques Demy, fazia á época. As cores fortes, que trazem um pouco da magia cenográfica do musical americano clássico para detalhes da província francesa como portas de casa e mesmo os  fades intensamente coloridos que pontuam todo o filme, assim como uma aproximação irônica do amor romântico, a partir do recorte num casal de baixo poder aquisitivo (ele carpinteiro, ela costureira) para ficar em apenas duas. Talvez o mais interessante do filme seja que Varda evite os aborrecidos e repetitivos caminhos do conflito dramático na representação de seu triângulo amoroso. E esse acaba não se dando de fato, com o aparente e abrupto suicídio da esposa de François que, detalhe curioso, é vivida pela própria esposa do ator na vida real. Varda não deixa de apresentar um certo charme, seja nas habituais referências aos colegas de trabalho (aqui a Bardot e Moreau “juntas pela primeira vez” em Viva Maria!, de Louis Malle) no modo elegante que enquadra o novo casal em um café, brincando com a profundidade de campo ou repetindo determinadas planos, cacoete então bastante em voga.  Mas mais do que isso é certamente suas cores vibrantes e sua interpretação naturalista, algo facilitada talvez por serem de fato uma família, conjugadas com dois temas de Mozart (um adágio e fuga em C Menor e um quinteto para clarinete) que provocam uma sensação tátil e quase mesmo olfativas da energia e juventude vibrante de seu protagonista, ainda quando submersa. A delicadeza com que Varda filma as cenas de intimidade do casal, já presentes na descrição ainda mais ousada da intimidade de um casal presente em seu curta L´Opéra Mouffe (1958), demonstra sua formação fotográfica. Parc Film. 79 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário