CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Filme do Dia: Papa (2004), Vladimir Mashkov


Papa Poster


Papa (Rússia, 2004). Direção: Vladimir Mashkov. Rot. Adaptado: Vladimir Mashkov & Ilya Rubinstein, a partir da peça Matrosskaya Tishina, de Alesandr Galich. Fotografia: Oleg Dobronrarov. Música: Dimitri Atomvyan. Montagem: Vera Klugova. Dir. de arte: Vladimir Aronin. Figurinos: Regina Khomskaya. Com: Egor Beroev, Vladimr Mashkov, Andrei Rozendent, Olga Krasko, Lidyia Pakhomova, Kseniya Bespalova, Sergei Dontsov, Kseniya Glinka.
Quando garoto, David Schwartz (Rozendent) sofre com a disciplina rígida e o alcoolismo paternos, que fazem com que ele, em situações extremas, chegue a ser vítima de suas agressões. Seu pai, Abraham (Mashkov) é um judeu que trabalha na ferrovia e que sonha um dia em conhecer Jerusalém. Quando jovem adulto, Schwartz (Beroev) se torna o mais promissor violinista do Conservatório de Música de Moscou. Abraham vai visita-lo de surpresa e é destratado pelo filho, que sente-se envergonhado pela presença do pai, e seu jeito simples e provinciano, diante de seus novos colegas e do diretor do Conservatório. Tempos depois, seu pai, assim como toda a comunidade do gueto no qual viviam, são massacrados. E ele, em vias de ter a mão amputada, possui um diálogo cheio de remorsos com o pai morto.
Seria cruel sequer a menção comparativa com o contemporâneo-conterrâneo Pai e Filho. Os expedientes dramáticos aqui empregados são não apenas constrangedores como francamente indecorosos em sua acepção melodramática menos inventiva e mais lugar-comum. O mesmo se aplicando para seu tratamento visual, tão acadêmico e pouco original quanto aqueles. Do uso da grua à sua pouca convincente evocação cenográfica do passado tudo acaba se dirigindo para a conservadora e tacanha compreensão da relação entre pai e filho pontuada por uma sentimentalidade lacrimosa e resultando em um “conveniente” final no qual David “purga” por sua rejeição ao pai ao ter o braço, assim como sua promissora carreira, devidamente amputados. Resta porém o consolo dado pelo espectro paterno, entrevisto em seu delírio, de que seu filho poderá atingir o sonho almejado um dia pelo avô, transferindo uma continuidade de frustrações e expectativas para uma terceira geração, que felizmente não chega a ser entrevista pelo filme. A figura de Stálin se reflete, entre autoritária e paternalista, no chefe do conservatório, sendo a subtrama do amigo de David que fora expulso por conta das convicções políticas de seu pai, tão rapidamente esquecida quanto surgiu. Mashkov, mais conhecido como ator, dirigiu apenas dois filmes, e evidentemente dignou para si próprio, o papel do pai “que bate, mas ama”, vivendo-o do modo mais intensamente patético que pode, sendo que já vivenciara o mesmo personagem na peça que serviu como base para o filme. Kompanija TransMashHolding/NTV-Profit/OAO Rosijskie Kommonalnie Sistemi/Produserskaya Firma Igorja Tolstunova/Sluzba Kinmatographii Rossijskoy Federats para Nashe Kino. 94 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário