CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Filme do Dia: A Outra (1999), Youssef Chahine


El Akhar Poster


A Outra (L’Autre, França, 1999). Direção: Youssef Chahine. Rot. Original: Youssef Chahine & Khaled Youssef. Fotografia: Mohsen Nasr. Música: Yehia El Mougy. Montagem: Rashid Abdel Salam. Dir. de arte: Hamed Hemdan. Figurinos: Nahed Nasrallah. Com: Nabila Ebeid, Mahmoud Emida, Hanan Tork, Hani Salama, Lebleba, Hassan Abdel Hamid, Ezzat Abou Aouf, Ahned Fouad Selim.
        Adam (Salama) é o filho de um casal milionário que, estudando nos EUA, retorna de dois em dois anos ao Egito para passar férias. Dessa vez ele apaixona-se pela jornalista sem recursos Hanane (Tork). Contra à vontade da possessiva mãe, Margaret (Ebeid), Adam casa-se com Hanane. Após uma lua-de-mel paradisíaca, os problemas começam a surgir. Hanane está envolvida em uma matéria jornalística que compromete não só o melhor amigo de Margaret, como a própria família de Adam. Indignado com o orgulho da esposa, Adam estupra-a. Margaret fica feliz ao saber que se encontram separados e adverte-o que ele tem que casar com alguém de seu nível. Porém, o casal se reconcilia e Adam vai morar com a mãe de Hanane. Margaret se torna cada vez mais obsessiva com relação ao amor ao filho e se entrega ao álcool e as drogas. Hanane fica refém do próprio bando do irmão, um terrorista, que procura ganhar dinheiro com Margaret para abandonar o país. Margaret, no entanto, avisa a polícia. Cercados pela polícia, o irmão é morto por um membro do próprio grupo e Hanane e Adam são vítimas da polícia.
            Chahine realiza sua habitual mescla de melodrama e política, característica que compartilha com Fassbinder e Ken Loach, indo ainda mais longe nos clichês do gênero que o cineasta alemão ou produções históricas do próprio cineasta, como O Destino. É a lógica maniqueísta que move os personagens e o cineasta associa tal lógica a duas variáveis básicas: situação de classe e identidade nacional. Assim a megera Margaret somente se identifica com Nova York e pouco se importa com os 64 milhões “desse povo”.  Hanane, a heroína,  é sua contraparte, plenamente egípcia e da classe média baixa. Já Adam se encontra na encruzilhada desses dois mundos. Realizando uma tese de doutorado em uma universidade americana sobre o terrorismo e bastante dominado pela mãe, passará a mudar de consciência no seu contato com Hanane. Fundamental para sua mudança e o rompimento com a mãe será o assassinato de um colega de universidade argelino idealista pelo terrorismo. Quando a mãe lhe afirma que ele foi gerado em uma relação à três e que pode ser americano, Adam defende sua identidade egípcia, calcada nos seus sentimentos, mais que qualquer outro critério. Sua mãe, por sinal, tem também como característica o decadentismo sexual com que a elite econômica costuma ser identificada (nos filmes do Cinema Novo, por exemplo), tendo sido vítima dos abusos do próprio pai e possuindo um amor exageradamente dúbio pelo filho. Não se fazem presentes os números musicais, com exceção de uma rápida dança no momento do casamento, quase sempre presentes no universo do cineasta como do cinema egípcio como um todo. Ao contrário do universo de Fassbinder e de outros filmes dele próprio, esse filme de Chahine é prejudicado por uma excessiva simplificação do quadro social que analisa, risco que o britânico Ken Loach também por vezes sucumbe, ainda que os filmes de Loach se aproximem mais de uma perspectiva realista que dos excessos típicos do melodrama como Chahine e Fassbinder. Apresenta cenas de um apoteótico baile , que surge como por encanto quando Margaret afirma que sua esposa jamais saberá dançar uma verdadeira valsa. France 2 Cinéma/Le Studio Canal +/Ognon Pictures. 101 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário