CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Filme do Dia: Barronhos: Quem Teve Medo do Poder Popular? (1976), Luis Filipe Rocha


Barronhos: quem teve medo do poder popular?


Barronhos: Quem Teve Medo do Poder Popular? (Portugal, 1976). Direção: Luis Filipe Rocha. Fotografia: João Abel Aboim. Montagem: João Pedro Andrade dos Santos.

Documentário em 16 mm aborda, a partir de assassinato, as tensões sociais e interesses de grupos do bairro que dá nome ao mesmo e, por extensão, do próprio país. Consistente e fazendo uso de estratégias estilísticas diversificadas nas cinco partes que é dividido (O Crime, O Bráulio, O Jaime, O Bairro, O País) e que não apenas são apresentadas com cartelas como igualmente verbalizadas. Se os episódios que se vinculam ao caso do assassinato são primordialmente centrados em depoimentos para a câmera, o que aborda o bairro é direcionado pela voz over e didaticamente entre os interesses contrários de uma comunidade pobre na periferia de Lisboa e o que se refere ao país na contra-mão do anterior, centrando-se na imagem de lideranças políticas na Portugal pós-Revolução dos Cravos – o próprio narrador se apressa em afirmar que o termo revolução talvez tenha sido aplicado precipitadamente ao contexto em questão. A complexidade da situação é bem representada pelo filme que não segue uma tendência militante convencional. Se detalhes quanto ao crime se perdem dada a sonorização e ao sotaque português ocorre o mesmo com a dimensão macro (aliás, partir de um episódio pontual para pensar o contexto mais amplo é uma opção interessante e pouco habitual) para aqueles pouco familiarizados com a situação em questão. Por outro lado, o cineasta não poupa em planos de detalhe dos recortes diversos pregados na parede de um dos entrevistados, que vão de propaganda de companhia aérea a imagens eróticas  - evocativas de Theodorico, o Imperador do Sertão (1978), de Eduardo Coutinho.  Numa das imagens mais felizes do filme, a voz circunspecta do narrador a falar sobre o bairro é acompanhada pela imagem de um garoto fantasiando se encontrar comandando uma motocicleta, sentado em um tronco com um balde na cabeça. Ao final, o filme parece cético quanto a utopia decantada pelo movimento de mudança, apresentando várias crianças em situação de extrema miserabilidade. Faz uso de imagens de arquivo, discretas encenações, sendo aliás a descrição com que arregimenta toda essa diversidade de opões de estilo talvez a sua mais brava virtude. Os sons do acordeão que o garoto toca ao final são observados também próximo ao início. Instituto Português de Cinema. 53 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário