CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Filme do Dia: O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus (2009), Terry Gilliam


O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus Poster


O Mundo Imaginário do Doutor Parnassus (The Imaginarium of Doctor Parnasssus, Reino Unido/França, 2009). Direção: Terry Gilliam. Rot. Original: Terry Gilliam & Charles McKeown. Fotografia: Nicola Perrini. Música: Jeff Danna & Michael Danna. Montagem: Mick Audsley. Dir. de arte: Terry Gilliam, Anastasia Masaro & David Warren. Figurinos: Monique Prudhomme. Com: Christopher Plummer, Andrew Garfield, Lily Cole, Verne Troyer, Heath Leadger, Tom Waits, Johnny Depp, Jude Law, Colin Farrell.
Dr. Parnassus (Plummer) se livrou de sua imortalidade fazendo um pacto com o Diabo (Waits) de que lhe legaria sua filha, Valentina (Cole), quando ela completasse dezesseis anos. Quando a data se aproxima, ele e sua trupe, formada pelo anão, Percy (Troyer) e o namorado da filha, Anton (Garfield), salvam um rapaz da morte, Tony (Ledger), que também passa a fazer parte do grupo e o Dr. Parnassus faz um outro pacto com o demônio, para salvar a pele da filha.
Mesmo que os mundos imaginário e real sejam bem delmitados através do espelho mágico, filiando-se portanto aos códigos já bastante convencionalizados do filme fantástico, o filme de Gilliam, o único a apresentar uma carreira marcante e distinta do humor do grupo Mont Phyton, de forma consistente, é marcado pela criatividade extravagante associada a representação do imaginário humano, contando evidentemente com um apoio de efeitos digitalizados de forma inédita em relação às suas obras anteriores. Sem dúvida, torna-se mais fiel ao espírito de Lewis Carroll do que a pouco imaginativa adaptação contemporânea dirigida por Tim Burton para o clássico Alice no País das Maravilhas. Com a morte de Ledger, durante a produção do filme, Depp, Law e Farrell se reverteram em substituí-lo em suas aventuras pelo imaginário do Dr. Parnasso – quase uma reatualização anárquica do célebre O Gabinete do Dr. Caligari (1919), de Wiene. O final, no qual um sacrificado e esfarrapado Parnassus, vivido brilhantemente por Plummer, delicia-se com a satisfação de ver a filha casada e bem de vida almoçar com sua família num restaurante grã-fino, fruto de seu próprio auto-sacríficio remete ao melodrama clássico Stella Dallas (1937), de Vidor. Infinity Feautures Ent./Poo Poo Pictures/Davis-Films/Grosvernor Park Prod./Parnassus Prod. para Lionsgate. 123 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário