CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Filme do Dia: O Bebê Santo de Mâcon (1993), Peter Greenaway


O Bebê Santo de Mâcon Poster


O Bebê Santo de Mâcon (The Baby of Macon, Reino Unido/França/Bélgica/Alemanha, 1993) Direção: Peter Greenaway. Rot.Original: Peter Greenaway. Fotografia: Sacha Vierny. Montagem: Chris Wyatt. Com: Julia Ormond, Ralph Fiennes, Philip Stone, Jonathan Lacey, Frank Egerton, Diana Van Koick, Nils Dorando.
           Em uma sociedade em 1659, Macon,  em que a esterilidade é a regra e todos sentem-se culpados acreditando que o abandono da catedral é o verdadeiro motivo para a maldição, uma peça apresenta o nascimento incomum de um bebê de uma mulher de idade (Koick) avançada provoca uma verdadeira histeria coletiva - já que ele nasce realmente no meio da encenação. Uma irmã do bebê (Ormond), estimando o quanto pode lucrar com a situação, já que são provenientes de uma família pobre, afirma que na verdade ela é a mãe, encarcerando sua mãe - a verdadeira mãe do bebê - em casa. Para tornar o fato ainda mais fantástico, ela é virgem, logo sua gravidez assumindo proporções místicas que a pretendem igualar a Maria. Inúmeras oferendas são trazidas ao bebê, para que ele volte a fertilizar também os animais e a colheita. Astuciosa, a jovem sempre pede mais do que é oferecido. Suspeitas são despertas, mas sua virgindade é confirmada tanto por mulheres quanto por homens. Ela sonha com um futuro cheio de riqueza e felicidade. Porém o Cantor (Egerton), lhe adverte que, ao contrário do que pensa, morrerá desgraçada. Em uma grande festa em tributo a ela e ao bebê, ela aproxima-se do filho do bispo (Neeson), cientista que afirma não acreditar na sua história: ou ela é virgem, e o filho é de outra, ou o filho é dela e ela não é virgem, mas prostituta. Ela leva-o para conhecer sua mãe, e conta-lhe a verdade, mas ele não acredita. Leva-o ao celeiro e quando inicia o jogo da sedução, a jovem criança (Dorando) pede para entrar. Ao observar os preparativos para o ato, o bebê enfurece-se e roga uma maldição que faz com que uma vaca atinja o filho do bispo diversas vezes, matando-o .  Flagrada no celeiro, com o filho morto ao seu lado, pelo bispo e população local, ela é acusada de assassinato. O bispo sugere que a criança escolha com quem ficar, e ele se afasta da irmã, o que provoca a certeza e a ira da população. Com a tutela da criança, a Igreja aproveita a ocasião para vender todos seus fluidos por preços exorbitantes, perpetuando a mesma exploração iniciada pela irmã. Aproveitando uma ocasião em que a criança se encontra solitária, sua irmã sufoca-o .  O bispo, no entanto, se vê embaraçado frente a lei local que proíbe a execução de virgens - e foi comprovada a virgindade da moça. Porém o princípe Médici (Lacey), sopra-lhe ao ouvido que ele pode provocar uma defloração na virgem. Seguindo uma tradição que baseia-se, entre outros, na bíblia, mais de 100 homens a estupram. Quando vão levá-la ao cadafalso, porém, já se encontra morta. Novamente a maldição se abate sobre Macon e os casais já não mais copulam. A jovem criança é literalmente retalhada pela população, que quer guardar algo de seu - seja peças de roupa ou seu pé. Após serem postos lado a lado os cadaváres da vaca (morta pela moça após assassinar o filho do bispo e que passa a ser venerada), da moça e do filho do bispo, o som de aplausos confirmam o final da encenação.
Instigante filme de Greenaway. Ainda que os verdadeiros tableaux vivos que são as imagens proporcionadas pela sempre rigorosas iluminação, figurinos, maquiagem,  dir. de arte e fotografia, somada aos planos geralmente longos, possam por vezes apontar para uma esterilidade tendo como suporte a preciosidade visual, o resultado final prova o contrário: seu ritmo lento e falta de concessão ao sentimentalismo, assim como a bela trilha sonora apenas realçam a original história, que apresenta uma sociedade corrupta em todos os níveis - aristocracia, clero, povo. Descontada a recorrente elaboração visual já comentada (menos gratuita que a de Fellini, em sua fase surrealista, e grandemente inspirada na pintura flamenca - não por acaso o dir. de arte e boa parte do elenco é de origem holandesa), o filme também apresenta outros elementos característicos de Greenaway: fascinação pela função da mística dos números na cultura, relação entre realidade e ficção (numa sofisticada elaboração que acaba por comprometer qualquer vestígio de delimitação entre ambas),  nudez masculina, etc. Channel Four/Ciby 2000. 122 min.


Nenhum comentário:

Postar um comentário