CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sábado, 11 de junho de 2016

Filme do Dia: Uma Vida Violenta (1962), Paulo Heusch & Brunello Rondi


Una vita violenta Poster


Uma Vida Violenta (Uma Vita Violenta, Itália, 1962). Direção: Paolo Heusch & Brunello Rondi. Rot. Adaptado: Paolo Heusch, Brunello Rondi & Franco Salinas, baseado no conto de Pier Paolo Pasolini. Fotografia: Armando Nannuzzi. Música: Piero Piccioni. Montagem: Nino Baragli. Com: Franco Citti, Serena Vergano, Enrico Maria Salerno, Benito Poliani, Piero Morgia, Paola Petrini, Micaela Dazzi, Alfredo Leggi.
Tommaso (Citti) é um jovem de origem proletária que vive a esmo nos bares e praticando delitos com os amigos. Ele ameaça mudar e se tornar um homem sério quando conhece a jovem Irene (Vergano). Convida alguns amigos para apresentarem uma serenata diante da janela da jovem. A movimentação acaba atraindo curiosos e em meio a uma discussão, Tomasso esfaqueia e mata um homem que lhe agredira. Preso em casa, passa alguns anos na prisão. Quando solto, passa a  morar com os pais, em um conjunto habitacional mais afluente do que antes e volta a se aproximar de Irene, mas o período da prisão e a vida dissoluta lhe provocam uma grave crise de tuberculose. Internado em um sanatório, ele se recupera. Os hábitos extravagantes, no entanto, acabam por lhe provocar a morte.
Trata-se do mesmo ambiente do lumpem-proletariado que era um tema obsessivo na literatura e cinematografia inicial de Pasolini, interpretado por seu ator emblemático do período, Franco Citti, o que infelizmente trai a inevitável e desfavorável comparação com outra obra, dirigida pelo próprio Pasolini e com o mesmo Citti no ano anterior, Accattone - Desajuste Social. Falta a esse filme a dimensão trágica e universal, metafórica, que transforma o Citti em sua estréia no cinema, numa versão moderna do próprio Cristo decaído, criando um portentoso e inesquecível painel de grande pathos, mesmo que, e talvez ainda mais auxiliado por isso, tecnicamente precário. A abordagem aqui, mais contida e realista, é igualmente mais banal e desinteressante. Problemas com relação à adaptação ficam patentes na forma brusca com que o acidente que aparentemente mata seu melhor amigo – posteriormente se saberá que se trata de motivo para amputação de sua perna, tornando-se ele mendigo.  Assim como na morte do próprio protagonista ao final. A situação social aqui parece um pouco mais cômoda do que a do filme de Pasolini e a visão dos desocupados menos romântica, mas há um esquematismo que, se existente na obra de Pasolini do ano anterior, teria sendo encoberta pela própria dimensão mítica. Aqui é evidente a oscilação do personagem entre aderir ao partido democrata-cristão ou ao partido comunista enquanto espelhamento correlato de suas pretensões a uma vida pequeno-burguesa ou a condescendência malemolente do lumpem-proletariado que, em última instância, o arrastará para a própria morte. Destaque para a cena que parece ter resultado em estupro de uma das vítimas de Tommaso e seus amigos no mesmo monumento fascista que fora presença importante no filme de Antonioni do ano anterior, O Eclipse, talvez inclusive como provocação a abordagem dos dramas existenciais da elite daquele. E também para a beleza suave de Vergano, completamente passiva diante da figura masculina. Zebra Film. 115 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário