CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Filme do Dia: Meu Nome é Joe (1998), Ken Loach

Meu Nome é Joe ( My Name Is Joe, Reino Unido/Alemanha/França/Espanha,1998). Direção: Ken Loach. Rot. Original: Paul Laverty. Fotografia: Barry Ackroyd. Música: George Fenton. Montagem: Jonathan Morris. Dir. de arte: Martin Johnson & Fergus Clegg. Figurinos: Rhona Russell. Com: Peter Mullan, Louise Goodall, David McKay, Anne-Marie Kennedy, David Hayman, Gary Lewis, Lorraine McIntosh.
              Joe Kavanagh (Mullan) é conhecido pela sua paixão pelo futebol e sua lealdade para com os amigos, especialmente Liam (McKay), ex-viciado que procura se livrar do círculo da criminalidade. Desempregado, técnico de um time amador e tentando largar o alcóol, Joe conhece a também solteira Sarah Downie (Goodall), com quem passa a se relacionar. Porém a situação fica tensa para Joe a partir do momento que ele é pressionado a trazer uma carga de tóxicos para o traficante que ameaça Liam, sua esposa Sabine (Kennedy) e o bebê do casal. Torna-se ainda pior quando Sarah descobre tudo e resolve abandoná-lo. Totalmente descontrolado, Joe esmurra o traficante e alguns de seus comparsas. A reação não tarda a vir e Liam é  vítima dela. No cemitério, Joe reencontra Sarah.
          Aproximando-se mais da estrutura dramática tradicional, Loach consegue melhores resultados que em dramas em que pretende demonstrar sua convicção política de esquerda de forma mais acentuada tais como Uma Canção para Carla (1996) e Terra e Liberdade e que soam demasiado esquemáticos e pouco convincentes. Aqui nunca esteve tão próximo de seu contemporâneo e conterrâneo Mike Leigh, abordando com uma virtuosidade pouco comum os dramas do cotidiano de uma classe social menos favorecida e pouco vista nas telas. Entre as maiores qualidades do filme se encontram o bom trabalho de direção de atores (com destaque para o casal protagonista) e o tom apaixonado e cúmplice com que o cineasta acompanha seus personagens. Entre suas maiores fraquezas a desgastada estrutura narrativa (que repete muitas das situações já vistas em Chuva de Pedras), culminando  com o pseudo happy end final. Curiosidade: em uma seqüência os amigos de Joe assaltam um caminhão de entregas que leva os uniformes da seleção brasileira de 1970. Alta Films Productions/Arte/BIM Distribuzione/Channel 4/Degeto Film/Diaphana Films/La Sept Cinéma/ Parallax Pictures/Road Movies Vierte Produktionen/ Scottish Arts Council Lottery Fund/The Glasgow Film Fund/Tornasol Films/WDR.105 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário