CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 13 de setembro de 2015

Filme do Dia: Ashik Kerib (1988), Sergei Paradjanov

Ashik Kerib (Ashug-Karibi, URSS, 1988). Direção: Sergei Paradjanov & Dodô Abashidze. Rot. Adaptado: Gia Badridze, baseado no conto “Ashik Kerib, o Adorável Menestrel”, de Mikahil Lermontov. Fotografia: Albert Yavuryan. Música: Dzavanshir Kuliyev. Dir. de arte: Gogi Aleqsi-Meskhisvilli, Shota Gogolavshvili, Sergei Paradjanov & Niko Zandukeli. Figurinos: E. Magalashvili. Com: Yuri Mgoyan, Sofiko Chiaureli, Ramaz Chkhikvadze, Konstantin Stepankov, Veronique Matonidze, Baia Dvalishvili, David Dovlatian, Levan Natroshvili.
O jovem menestrel Ashik Kerib (Mgoyan) se apaixona pela filha de um rico mercador, que o rejeita por sua ausência de posses. Kerib ganha o mundo, após a promessa da jovem não casar dentro do período de mil dias. Após muitas aventuras, ele retorna no último dia e as bodas ocorrem.
O que mais chama a atenção na produção de Paradjanov, e que aqui se encontra longe de ser contradito, é o seu desprezo por um viés narrativo naturalista. Nesse sentido, encontra-se sejam os figurinos e a maquiagem deliberadamente exageradas, sua movimentação em cena, mais próxima de representações pictóricas que de uma interpretação naturalista, sua trilha sonora baseada em canções tradicionais armenas e turcas e, em boa parte, sua sobreposição sonora entre as vozes dos personagens em cena e a de um narrador onisciente, servindo tanto para traduzir para a língua da Geórgia o que é falado em azerbaijão quanto para lembrar a todo momento que se trata de uma narrativa. O resultado final, ainda que possa ser considerado menor em termos da filmografia do cineasta, casa-se perfeitamente ao tipo de narrativa tradicional admirada por Paradjanov, ainda que seja difícil de ser digerido por um espectador acostumado a um cinema mais convencional. Destaque para a quantidade de ícones e artefatos culturais e religiosos presentes em cena – curiosamente o tráfico ilegal desses objetos foi um dos motivos que foram alegados quando da prisão do realizador pelas autoridades soviéticas – e para um tributo pessoal ao próprio cinema no último plano de seu último filme, em que o pombo que é solto em homenagem ao pai da noiva termina por pousar em uma câmera cinematográfica. Dedicado à memória de Andrei Tarkovski. Quartuli Pilm. 77 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário