CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Filme do Dia: Eu Fui a Secretária de Hitler (2002), André Heller & Othmar Schmiderer


Eu Fui a Secretária de Hitler (Im Toten Winkel – Hitlers Sekretärin, Áustria, 2002). Direção e Rot. Original: André Heller & Othmar Schmiderer. Fotografia: Othmar Schmiderer. Montagem: Daniel Poehacker.

Documentário que procura apagar quase que totalmente qualquer outro vestígio que não seja relacionado aos depoimentos de Traudl Junge, secretária pessoal de Hitler entre 1942 e 1945. Cientes da oportunidade que tinham em mãos, os cineastas abdicam de qualquer outro recurso formal mais elaborado, a não ser uma modesta utilização da exibição das imagens de depoimentos anteriores da protagonista para ela própria, que corrige, complementa e faz uma auto-crítica de algumas de suas falas. Ao contrário de uma produção que também revisita à época através do olhar de uma participante, Leni Riefensthal: A Deusa Imperfeita (1993), não existe, com exceção de raros momentos, seja a explicitação das perguntas feitas ou qualquer confrontação mais direta com a depoente. Praticamente toda a estrutura de A Queda! Os Últimos Dias de Hitler (2004) foi calcada na fala de Junge, de onde saem expressões praticamente literais e situações bastante semelhantes às comentadas. Torna-se curioso observar que sua fala é uma quase cisão entre ela procurando reviver a si própria sobre a influência nacional-socialista e suas observações contemporâneas, explicitada sobretudo no momento em que comenta que “graças a Deus” conquistara o posto de secretária do führer para logo depois emendar “ou talvez infelizmente.” Em apenas um momento, quando comenta as mortes dos filhos de Goebbels, a depoente chega próximo a expressar algo parecido com uma emoção mais intensa. O momento em que faz algo como uma mea culpa, ao afirmar que os anos em que não se identificara com nada que ouvira sobre as torturas e crimes cometidos pelo nazismo gradualmente foram se modificando quando passou pelo túmulo de uma ativista que havia se contraposto ao regime e sido assassinada no mesmo ano em que ela passara a prestar seus serviços a Hitler e que sua ingenuidade e inocência não eram, portanto, desculpáveis, foi utilizado ao final do filme de Oliver Hisrchbiegel. Dor Film Produktiongesellschaft GmbH. 95 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário