CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Filme do Dia: Deus da Carnificina (2011), Roman Polanski

Deus da Carnificina (Carnage, França/Alemanha/Polônia/Espanha, 2011). Direção: Roman Polanski. Rot. Adaptado: Roman Polanski & Yasmina Reza, a partir da peça de Le Die udu Carnage, de Reza. Fotografia: Pawel Edelman. Música: Alexandre Desplat. Montagem: Hervé De Luz. Dir. de arte: Dean Tavoularis. Cenografia: Franck Diago. Figurinos: Milena Canonero. Com: Jodie Foster, Kate Winslet, Christoph Waltz, John C. Reilly, Elvis Polanski, Eliot Berger.
        Dispostos a conversar com os pais do garoto que bateu com o taco de beisebol em seu filho, o casal Penelope e Michael Longstreet (Foster e Reilly), recebe Nancy e Alan Cowan (Winslet e Waltz). O que era aparentemente uma civilizada reunião na qual o ressentimento pela violência sofrida não impediu que o casal Longstreet expressasse sua polidez transforma-se num confronto entre os quatro, que se torna crescente a medida que o álcool e a tensão começam a demonstrar seus efeitos.
     Muitos são os motivos para que mais uma empreitada de Polanski em um ambiente claustrofóbico e seu desvelamento da superfície polida, mas falsa, das relações burguesas, não se justifique a contento. Antes de tudo, por sua evidente pretensiosidade. O original de Reza, também co-roteirista, tem como pretensão tocar criticamente em pontos como a blindagem para os verdadeiros sentimentos e emoções, resumindo, a hipocrisia, proporcionada pelo politicamente correto, representado aqui sobretudo pela Penelope de Foster, mas que se torna a atitude dominante nas relações sociais burguesas. Sim, a crítica se encontra posta, porém longe de uma engenhosidade e/ou originalidade de fato, assim como – e  pior – longe do que outro filme, baseado em um dramaturgo mais talentoso, havia conseguido quase meio século antes dessa produção vir à luz (Quem Tem Medo de V.Woolf?). Aqui tudo soa mais irreal, gratuito, inverossímil. Depois a atitude de optar por uma direção de atores francamente teatral soa pouco condizente com a filmografia do realizador, mesmo quando relacionada a adaptações teatrais. A visão que Polanski destila do excesso de suscetibilidades contemporâneas é previsivelmente cínica e parece quase sempre coincidir com o instinto e a agressividade que assomam rapidinho quando as máscaras da civilidade caem. Porém, corre-se o risco do clichê quase caricatural como o do excesso de ligações para o celular do acionista Alan, ainda quando elas sirvam como leitmotif para interferir na ira de Penelope em relação a este. Com um começo que apresenta a ação que se torna o pretexto para o filme e um retorno ao mesmo parque, agora acrescido  do hamster de estimação da família deliberadamente solto por Michael, ainda que o final tampouco seja bem resolvido, já que demasiado abrupto. Sua proximidade com o tempo real sugere aproximações com Festim Diabólico (1948), de Hitchcock, cineasta por demais apreciado por Polanski. SBS Prod./Constantin Film Produktion/SPI Film Studio/Versátil Cinema/Zanagar Films/France 2 Cinéma para Sony Pictures Classics. 80 minutos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário