CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

terça-feira, 26 de maio de 2015

Filme do Dia: Where are My Children? (1916), Phillips Smaley & Lois Weber


Where are My Children? (EUA, 1916). Direção: Phillips Smaley & Lois Weber. Rot. Adaptado: Lois Weber & Phillips Smaley, baseado no conto de Lucy Payton & Franklin Hall. Fotografia: Stephen S. Norton & Allen G. Siegler. Com: Tyrone Power Sr., Helen Riaume, Marie Walcamp, Cora Drew, Rena Rogers, A.D. Blake, Juan de la Cruz, C. Norman Hammond.
O bem sucedido promotor Richard Walton (Power Sr.) é financeiramente muito bem situado e possui uma mulher (Riaume) que ama, sentindo-se frustrado apenas por não ter filhos. Mal sabe ele que sua esposa, no meio do círculo de socialites que também fazem o mesmo, evita através de abortos o nascimento dos filhos do casal, para que possa se dedicar mais tempo as futilidades de sua vida social. O irmão de sua esposa (Blake) se sente atraído pela filha da governanta, Lilian (Rogers), que ingenuamente acredita em suas promessas e dele engravida. Ele a leva a mesma clínica de abortos clandestinos, mas Lilian morre de complicações do aborto. Indignado, Walton processa o médico, Dr. Malfit (Cruz), que quando finalmente é condenado a vários anos de prisão, grita contra Walton que ele deveria antes de condenar os outros, observar o que acontecia em sua própria casa. Walton descobre então entre os registros do médico o nome de sua esposa. A vida dos dois jamais será a mesma e a pergunta que os acompanhará até a velhice é: onde estão as minhas crianças?
Num dos mais polêmicos filmes da década, o casal de realizadores consegue empregar um nível de virtuosidade narrativa que, guardadas as distinções com o modo de produção  de Suspense (1913), talvez nada fiquem a dever àquele. A não ser, talvez, a informação excessiva que provoca uma certa confusão entre as verdadeiras funções e objetivos dos personagens em alguns trechos de sua primeira metade, algo que certamente deve ser associado a utilização ainda recente da narrativa  estendida aos padrões de  longa-metragem.  Sendo abertamente um filme de mensagem, mensagem diga-se de passagem mais específica e contemporaneamente mais polêmica do que as investidas de Griffith no tema universal e praticamente a-histórico da intolerância em filme de mesmo título lançado no mesmo ano. Ainda que o filme compartilhe da posição extremamente conservadora do seu empertigado promotor paladino da moral, a situação dele ter que lidar com o problema em sua própria casa provoca um matiz mais complexo senão para a postura do promotor, que aparentemente não revisará e antes se tornará ainda mais consciente de suas certezas quanto ao aborto, agora as sentindo inclusive de forma concreta, pelo menos para sua expectativa de que isso somente acontecesse com outros, sobretudo de classe menos privilegiada e não com a própria elite a qual faz parte. Mesmo que existam momentos nos quais toda a overdose gestual característica do melodrama se faça presente, sobretudo quando a esposa é enfrentada por seu marido agora sabedor de tudo, esses são relativamente pouco presentes ao longo da narrativa, onde impera relativa sobriedade. Não faltam evidentemente momentos de pieguice, como o final que, fazendo uso de sobreimpressões, apresenta o casal anos após, já envelhecido, sentados nas mesmas poltronas, amargando uma solidão pela ausência dos filhos que surgem igualmente como espectros de uma felicidade para sempre interditada por conta da vaidade imatura da juventude feminina. Poder-se-ia acusar o filme de misoginia, mas antes o que mais pesa e se encontra datado talvez seja suas evocações não muito esclarecedoras e positivas sobre o eugenismo, também marcadas na agressividade fascista com que o Dr. Walton observa uma briga entre um casal na corte e afirma como teria sido melhor a mulher sequer tivesse nascido; posição de simpatia para com o controle de natalidade que se verá demovido radicalmente depois pelos próprios fatos – a morte da filha da empregada, sua  relação com a esposa ao saber de tudo. Ainda assim, o filme não deixa de apresentar uma versão contrária, com direito a ilustração da fala de seu defensor através de um flashback, no qual um médico que escreveu um livro sobre o controle de natalidade defende seus argumentos através de sua experiência nos ambientes proletários onde trabalhou. National Film Registry em 1993. Lois Weber Prod. para Universal Film Manuf. Co. 63 minutos


Nenhum comentário:

Postar um comentário