CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Filme do Dia: Fire! (1901), James Williamson



Fire! (Reino UNido, 1901). Direção e Fotografia: James Williamson.
       Um policial busca reforços dos bombeiros, que logo depois  tentam dominar o fogo que se espalha em um edifício. Um homem desesperado que se encontra no interior do prédio é salvo, mas se encontra desesperado pois sua filha ainda se encontra no interior do prédio, sendo salva pouco tempo depois por um outro bombeiro. Posteriormente, um homem consegue se salvar pulando na rede de aparo dos bombeiros.
     Este filme de Williamson se torna interessante quando pensado em relação retrospectiva dos avanços na representação de uma história, por mais distanciada que o fosse de uma narração efetuada pelo cinema clássico. Nesse sentido, o filme, por exemplo, não faz uso da comum estratégia de montagem (presente em Life of an American Fireman) de apresentar sobre perspectivas diferenciadas a mesma ação, mesmo que não de forma entremeada (montagem paralela) mas sim sucessiva (encavalamento). Aqui se observa o bombeiro já quebrando a janela e adentrando o quarto para salvar o homem. Porém, se não ocorre o comum “encavalamento” ou repetição de ações, tampouco se cria uma atmosfera de suspense como posteriormente se conseguiria através da perspectiva diferenciada com que é observada a mesma cena – tal fica patente sobretudo quando o desespero do homem para salvar um ente querido que ainda não sabemos quem seja não se traduz numa cena do interior que apresente a criança desesperada, mas já o bombeiro a retirando do prédio incendiado. Para não falar dos longos planos, um deles de mais de um minuto, que apresentam as carruagens dos bombeiros sendo preparadas para partir para o incêndio ou o plano bastante comum que espera que as duas carruagens atravessem o quadro para só depois passar ao plano seguinte, que se tornará uma marca registrada dos filmes de perseguição posteriores. Do mesmo modo, a falta de “foco dramático”, no sentido teleológico de uma narrativa clássica, faz-se notar quando a ação vai além do drama de pai e filho, a câmera permanecendo para observar o salvamento de um terceiro personagem. Williamson Kinematograph Co. 4 minutos e 47 segundos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário