CONTRA O GOLPE CIVIL EM CURSO E A FAVOR DA DEMOCRACIA

domingo, 8 de março de 2015

Filme do Dia: Ingmar Bergman Completo: Bergman e o Cinema; Bergman e o Teatro; Bergman e a Ilha de Farö (2004), Marie Nyereröd

Ingmar Bergman Completo: Bergman e o Cinema; Bergman e o Teatro; Bergman e a Ilha de Farö (Ingmar Bergman – 3 Dokumentärer om Film, Teater, Faro och livet av Marie Nyreröd, Suécia, 2004). Direção: Marie Nyreröd. Fotografia: Arne Carlsson.
Compilação de três documentários exibidos separadamente na tv sueca, em que Bergman se detém tanto sobre sua carreira quanto sobre sua vida pessoal. Sem maiores sofisticações em termos estilísticos, talvez a maior atração desse documentário seja conseguir compartilhar de momentos da intimidade do recluso cineasta em sua propriedade particular na ilha de Farö. Ainda que demonstre um apreço pelos filmes Persona e Gritos e Sussurros, que considera suas obras não só mais acabadas, mas em que ele foi mais longe, Bergman afirma que sente uma paixão maior pelo teatro, que considera difícil de abandonar, embora sinta que seja necessário. Nesse sentido, não é gratuita que sua maior influência, evidenciada em diversas passagens, seja a de Strindberg, para Bergman quem melhor soube escrever em sua língua – ele chegou a morar na mesma residência em que morara o dramaturgo e sonhara conversando com ele. No último episódio, focado mais no seu cotidiano, Bergman afirma que passa dias sem trocar uma palavra com nenhuma pessoa e consegue se desvencilhar brilhantemente de um certo sensacionalismo que surge na indagação de Nyreröd sobre sua culpa em relação aos cinco filhos de suas diversas uniões a quem nunca deu verdadeiro apoio como pai. O artista não esconde os fortes traços edipianos de sua personalidade, tão apegado à mãe que esta o levou a um médico, assim como Nyreröd não deixa de evidenciar a semelhança física entre ela e a futura mulher de Ingmar, Ingrid. Entre os melhores momentos o que evoca as aventuras teatrais do início de carreira ao lado de um de seus atores e amigo desde 1938, Erland Josephsson, seu primeiro encontro com Victor Sjoström, a presença de Ingrid, sua esposa durante 24 anos, apesar de sua morte e quando saca do bolso um papelote com todos seus infernos pessoais, assim como o tocante momento em que faz suas as palavras de um personagem de uma obra sua afirmando que o divino não se encontra em outro mundo mas no próprio ser humano. SVT Nöje. 174 minutos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário